sábado, novembro 29, 2014

A velhice começa aos 27

download Aos 27 anos de idade, você ainda é jovem. Seu coração está zerado, a pele quase perfeita e os músculos não doem. Mas, no seu cérebro, a decadência já começou. Os neurônios ainda estão lá, mas as conexões entre eles (as sinapses) começaram a piorar. E isso afeta várias habilidades mentais. A primeira a ir embora é a inteligência espacial: sua capacidade de desenhar objetos e visualizá-los mentalmente. Funções mais primordiais, como o raciocínio e a memória, também perdem força rapidamente - e já estão bem mais fracas quando as pessoas chegam aos 30 anos de idade. Essas são as conclusões de um estudo gigantesco, que foi realizado pela Universidade da Virgínia e mediu as habilidades cognitivas de 2 mil pessoas de várias faixas etárias. Você pode achar que ainda é muito jovem para ficar gagá. Mas a natureza não. "Do ponto de vista evolutivo, por volta dessa idade você já deveria ter se reproduzido. E, por isso, já estaria chegando a hora de se aposentar", explica o neurologista Paulo Henrique Bertolucci, da Unifesp. Afinal, o homem das cavernas não vivia muito mais que 30 anos. E seu cérebro é idêntico ao dele. Mas não se desespere. Os cientistas também descobriram que algumas habilidades, como a verbal, continuam crescendo até os 60 anos. E aprender coisas novas, aumentando o número de informações no cérebro, compensa parcialmente as perdas cognitivas. A velhice mental existe. Mas ela é só uma coisa da sua cabeça.

O que você já perdeu (ou logo vai perder)
Quando uma pessoa completa 30 anos, o cérebro já apresenta uma sensível queda de desempenho
Memória - -17%
Velocidade mental - -27,3%
Raciocínio lógico - -37,5%
Inteligência espacial - -50%

Visto em: Super Interessante

quinta-feira, outubro 30, 2014

Estamos amarrando cachorro com linguiça


Dinheiro é uma forma de estocar trabalho: permite que o cara do pet shop compre seis pãezinhos sem ter de tosar o cachorro do padeiro. Engenhoso. Mas, para o dinheiro valer dinheiro, não basta ser dinheiro. Ele precisa cumprir dois requisitos básicos: ser uma coisa que todo mundo quer e, ao mesmo tempo, algo relativamente escasso, que não dê em árvore.

Justamente por isso, a coisa que mais fez o papel de dinheiro ao longo da história, e da pré-história, foram os metais preciosos. Cobre, prata e, principalmente, o ouro, um campeão de escassez: tudo o que mineraram até hoje só daria para encher um prédio de sete andares. São 142 mil toneladas em seis mil anos – é o que a Vale escava de minério de ferro em seis horas.

Ouro e prata eram tão dinheiro que as primeiras notas de papel da história nem eram exatamente dinheiro, mas recibos que davam direito a uma certa quantia de ouro ou de prata, guardada nos cofres do governo. O Estado pagava pelas obras públicas com esses recibos, essas “notas”. E elas acabavam circulando na economia no meio das moedas de ouro e de prata, já que era mais fácil carregar recibos do que bolsas cheias de metal.

Um dos primeiros países a usar esse esquema em larga escala foi a Inglaterra do século 18 – tanto que “libra esterlina” significa “meio quilo de prata da boa”.Mas quase ninguém voltava ao Banco Central inglês para resgatar seu meio quilo de prata da boa – era melhor ficar com a nota de uma libra de uma vez. Dava na mesma, já que todo mundo aceitava o papel como dinheiro. O governo britânico percebeu isso rápido, e não demorou para fazer uma malandragem institucional: emitir muito mais notas do que a quantidade de prata que tinha nos cofres, basicamente para pagar as próprias contas – e garantir que nunca faltasse champanhe nas festas do palácio. Se alguém viesse resgatar sua prata, tranquilo: era só dizer que uma libra agora valia 250 gramas de prata, ou 100, ou 10. Parece tosco. É tosco. Mas faziam exatamente isso.

Pior é que isso pode ser bom para a economia. Mais dinheiro começa a circular. As pessoas saem para gastar. Os padeiros fazem mais pão. Os fabricantes de fornos de padaria fazem mais fornos. Os cachorros ganham mais banhos e tosas. Juntando tudo, dá para dizer que a produção de bens e de serviços cresce. E é verdade: o PIB sobe mesmo. Mas não para sempre. Se o governo continua nessa toada por muito tempo, uma hora vai ter mais dinheiro circulando do que produtos que podem ser comprados com esse dinheiro. O cara que faz fornos vai acabar com mais pedidos do que pode entregar. Se ele tem quatro pedidos no mês e só consegue produzir três fornos, o que é que ele faz? Manda o quarto cliente embora? Nem a pau. Ele vai e aumenta o preço. Nisso, o padeiro repassa o custo para a freguesia. E, quando o cara do pet shop vai até a padaria, descobre que o preço do pão subiu. Inflação.

Bom, foi exatamente isso que aconteceu na Inglaterra do fim do século 18, começo do 19. Até que em 1810 veio uma virada. O Parlamento entendeu que isso de fabricar notas à vontade era amarrar cachorro com linguiça: os governantes sempre tenderiam a fazer mais dinheiro de papel do que a economia pudesse suportar. Sempre criariam inflação, mesmo que o intuito inicial nem fosse comprar champanhe, mas só reaquecer o PIB mesmo. Então o Parlamento estabeleceu que, dali em diante, uma libra valia 7,3 gramas de ouro. E ponto final. Se o Estado quisesse imprimir um milhão de libras em notas de papel, que arranjasse 7,3 toneladas de ouro para guardar em seus cofres na forma de lastro. Era um freio garantido contra a inflação.

Como a libra era o dólar da época, essa regra acabou valendo para boa parte do planeta. Todo país grande tinha uma reserva em libra como lastro da própria moeda local. Logo, o ouro acabava sendo o lastro, e o freio, de vários governos. Os EUA até foram mais longe e, em 1900, passaram a lastrear seu dólar com o ouro dos seus próprios cofres, com US$ 1 valendo 1,67 grama. Era a época do “padrão-ouro”, entre o final do século 19 e o início do 20. Um tempo de paz econômica, sem inflação. Não no caso do Brasil, que continuou imprimindo suas notas sem lastro nenhum, mas essa é outra história.

Bom, aí veio a Primeira Guerra Mundial e estragou tudo. Inglaterra e EUA deram uma brazilzada e voltaram a imprimir notas sem lastro para pagar pelos esforços militares. O padrão-ouro até voltaria depois, mas seria minado pela Grande Depressão, a dos anos 30, que bagunçou mais ainda a economia mundial.

Dali para a frente, os Bancos Centrais deixaram de usar o ouro como referência. O negócio agora era lastrear o dinheiro no braço mesmo. Como? Maneirando na impressão das notas, de modo a não criar inflação de bobeira. Para se autopoliciar, alguns governos tornaram seus Bancos Centrais independentes do próprio governo. Assim: o presidente do país indica um responsável pelo Banco Central no meio do mandato. E esse chefe do BC, com sua diretoria, continua pelo menos até o meio do governo seguinte, sem poder ser demitido sem justa causa. Aí, se o Poder Executivo ficar tentado a imprimir dinheiro demais para bombar o PIB, o Banco Central pode negar e pronto, pelo simples fato de ter mais competência técnica para saber se a medida vai ou não vai gerar a inflação.

A expressão tecnicamente correta para “imprimir dinheiro”, diga-se, é “baixar os juros”, coisa que irriga a economia com moeda nova. Mas dá na mesma. O BC está lá para manter os juros, a criação de dinheiro novo, num patamar seguro o bastante para que o governo governe sem criar inflação. Esse caminho do autopoliciamento foi o adotado pela Inglaterra, pelo Japão e pelos EUA, onde presidentes do BC chegaram a passar quase 20 anos no cargo – caso de Alan Greenspan, que controlou os juros americanos nos governos Reagan, Bush Pai, Clinton e Bush Filho, tendo o mandato renovado a cada presidente novo.

No Brasil, não: muda o governo, muda o BC. E a inflação continua assombrando, década atrás de década. A história indica que, sim, uma coisa tem a ver com a outra. Então talvez seja a hora de vermos com menos preconceito a ideia de um Banco Central independente. A hora de repensar se linguiça é mesmo o melhor material para a coleira da nossa economia.

Visto em: Crash

segunda-feira, outubro 27, 2014

Ditadura... Democracia


Não são apenas músicas…#19

Geraldo Vandré - Pra não dizer que não falei das flores



Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não
Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Caminhando e cantando
E seguindo a canção

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Pelos campos há fome
Em grandes plantações
Pelas ruas marchando
Indecisos cordões
Ainda fazem da flor
Seu mais forte refrão
E acreditam nas flores
Vencendo o canhão

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Há soldados armados
Amados ou não
Quase todos perdidos
De armas na mão
Nos quartéis lhes ensinam
Uma antiga lição
De morrer pela pátria
E viver sem razão

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Nas escolas, nas ruas
Campos, construções
Somos todos soldados
Armados ou não
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Somos todos iguais
Braços dados ou não

Os amores na mente
As flores no chão
A certeza na frente
A história na mão
Caminhando e cantando
E seguindo a canção
Aprendendo e ensinando
Uma nova lição

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

Vem, vamos embora
Que esperar não é saber
Quem sabe faz a hora
Não espera acontecer

quarta-feira, outubro 22, 2014

Cerveja e sinuca ajudam você a se manter jovem

Uma ajuda para você decidir sua noite hoje: cerveja e sinuca ajudam você a continuar jovem.
É essa a aposta do antropólogo Aske Lassen, da Universidade de Copenhagen. Ele fez uma pequena pesquisa com idosos de 70 a 95 anos. Em média, um a cada 15 deles costumava se encontrar para jogar sinuca pelo menos quatro vezes por semana. E eram eles os mais ativos entre os idosos avaliados.
É que o jogo acaba funcionando mesmo como uma atividade física – e, por mais que venha acompanhado de algumas cervejas, trazem benefícios à saúde. “Bilhar mantem esses homens socialmente ativos. E é um exercício adequado aos idosos, já que o jogo varia naturalmente entre períodos de atividade e de passividade. Eles podem continuar jogando por horas”, diz Lassen.

Visto em: Ciência Maluca

domingo, setembro 28, 2014

Pessoas religiosas não são mais boazinhas do que as outras

RELIGI1 Se você acredita que pessoas religiosas são mais boazinhas, você está um pouco enganado. A religião parece não ser o caminho para, necessariamente, transformar alguém em um ser humano mais caridoso. Segundo uma pesquisa, os religiosos fazem tantas boas ações quanto qualquer outra pessoa (seja ela ateia ou só um pouquinho religiosa).

Os pesquisadores chegaram a esta conclusão depois de convidar 1,2 mil adultos, de diferentes religiões e com distintas visões políticas, para um desafio. Durante três dias, eles tiveram de relatar todas as ações boas e ruins que haviam praticado ou testemunhado no dia. Em média, as pessoas passam por uma dessas experiências por dia. A religião ou visão política não fazia a menor diferença.

Na verdade, duas coisas mudavam entre os religiosos: eles se sentiam muito mais culpados ou chateados ao cometer algum erro e se sentiam ainda mais orgulhosos quando faziam o bem do que as outras pessoas. Mas nem essa intensidade maior de sentimentos fazia com que eles praticassem mais boas ações no dia.

Visto em: Ciência Maluca

Urna Eletrônica Brasileira

Acesse o site http://CanalDoOtario.com.br

terça-feira, setembro 09, 2014

A Depender de Mim

A Depender de Mim
Zeca Baleiro

A depender de mim
Os psicanalistas estão fritos
Eu mesmo é que resolvo os meus conflitos
Com aspirina amor ou com cachaça
Os gritos todos virarão fumaça
A dor é coisa que dói e que passa
Curar feridas só o tempo há de
Toda regra para o bem da humanidade
É certo necessita de uma exceção
A depender de mim
Os publicitários viram bolhas
Eu sei como fazer minhas escolhas
E assumir os erros que lá vem
Se a alma finca pé os medos somem
Menino nunca deixe que te domem
Mau pai dizia o verdadeiro homem
Sabe o que quer ainda que não queira
Besteira é não seguir o coração
A depender de mim
Os padres e pastores serão tristes
Eu penso mesmo que deus não existe
E ainda assim quem sabe eu creia em deus
Se deus é o outro nome da verdade
Deste momento até a eternidade
Eu levo entre mentiras e trapaças
Besta felicidade frágil farsa
.do que preciso riso preces e paixão

quinta-feira, julho 24, 2014

Fim ao desperdício de alimentos: conheça a história do Pay as You Feel Cafe

Fim ao desperdício de alimentos a história do Pay as You Feel Cafe (5)

Quantos vezes você já não se sentiu culpado por jogar sobras de comida no lixo? Assim como você, o inglês Adam Smith e a brasileira Johanna Hewitt (ela nasceu no Brasil e fala português), fundadores do projeto The Real Junk Food*, também estavam chocados com a gigantesca quantidade de alimentosem excelente estado ainda para ser consumida, que é simplesmente descartada.

O casal se reuniu com um grupo de amigos, também incomodado com o imensodesperdício, e decidiu fazer algo para mudar esta realidade. E começou a fazer a diferença onde vivia, na cidade de Leeds, no norte da Inglaterra.

No Pay as You Feel Cafe (em tradução livre, “Café Pague se Você Quiser”), todos os pratos do cardápio são preparados com ingredientes que seriam jogados fora. Não significa que a equipe retira sobras da lixeira, mas na verdade, utiliza alimentos que já estão com o prazo de validade vencido – mas podem sim ainda ser consumidos, com rótulos incorretos ou simplesmente comida que seria descartada.

Cardápio variado e balanceado muda diariamente

“Os alimentos vêm de várias fontes, incluindo restaurantes, empresas, supermercados, feiras”, conta Adam. O cardápio muda diariamente. “Criamos pratos todos os dias com base no que temos no estoque”. Há sempre preocupação em preparar refeições bem variadas nutricionalmente.

A experiência inicial do projeto aconteceu em dezembro do ano passado. Adam, que é chef profissional, cozinhou um jantar de Natal para os moradores sem-teto de Leeds. A iniciativa foi um sucesso e desde então o Pay as You Feel Cafe abre todos os dias da semana, entre 9h e 16h. O lugar é pequeno e simples. O pessoal do The Real Junk Food Project não paga aluguel por ele. O restaurante acomoda até 30 pessoas.

Fim ao desperdício de alimentos a história do Pay as You Feel Cafe (8)

Dia cheio no Pay as You Feel Cafe

Os cinco amigos, co-diretores do café e integrantes da iniciativa (um deles também é chef) são jovens ativistas, que desde cedo estavam engajados em movimentos de mudanças políticas, sociais e ambientais.

Para administrar o dia a dia do restaurante, contam com a ajuda de voluntários, que se revezam na cozinha, no atendimento aos clientes, na realização de eventos e num dos momentos mais importantes de todos: a captação de alimentos e recebimento dedoações pela cidade. Eles gostam de se intitular interceptadores do desperdício.

Fim ao desperdício de alimentos a história do Pay as You Feel Cafe (9)

Doações de frutas e verduras

Pelos cálculos de Adam, até agora o Pay as You Feel Cafe já evitou que mais de 10 mil quilos de comida fossem jogados em aterros. Até agora quase 3 mil pessoas foram atendidas e cerca de 4 mil refeições servidas. E quem são os clientes? Os mais diversos. De idosos a adolescentes, crianças a adultos. Até o tricampeão do Tour de France, Greg Lemond comeu no restaurante, quando esteve em Leeds para o Grand Départ da competição.

O pagamento pelo serviço é realmente opcional. Há quem pague, outros não. Alguns realmente nem têm dinheiro para tal. Mas isso não faz a mínima diferença para os jovens voluntários do projeto. “O que importa é que estamos tendo um impacto direto e positivo sobre a vida das pessoas”, diz Adam.

Assim como o trabalho realizado pelo Pay as You Feel Cafe, estão surgindo outras iniciativas similares no Reino Unido. Lugares com o intuito de alimentar o mundo e acabar com o desperdício.

É bom lembrar que estimativas apontam que 1,3  bilhão de toneladas de comida são perdidas anualmente no planeta, aproximadamente 40% da produção global. Estudos britânicos apontam que grande parte desde desperdício se deve à legislação de segurança alimentar por demais rigorosa e confusa.

Visto em: Planeta Sustentável

domingo, junho 29, 2014

E Se... O asteroide que matou os dinossauros caísse hoje?

29115438962283

A coisa seria feia. A bola de fogo de 200 quilômetros de diâmetro e o calor gerado por ela varreria do mapa tudo que houvesse num raio de 2 mil quilômetros. Considerando que o asteroide caiu onde hoje está a península de Yucatán, no México, o Caribe viraria pó. México, América Central e quase todos os EUA seriam devastados. Mais de 500 mil pessoas morreriam na hora.
O impacto da queda causaria vendavais. Tsunamis inundariam as costas do Atlântico, principalmente no hemisfério norte. Fragmentos lançados ao espaço retornariam à atmosfera em velocidades hipersônicas, e essa chuva de fogo causaria incêndios por todo o globo. "As correntes de ar espalhariam uma nuvem de poeira pelo planeta", diz Gerta Keller, professora de geociências da Universidade de Princeton. A crise humanitária seria generalizada.
A agricultura ficaria impraticável por pelo menos um ano. Sem os maiores consumidores do mundo, a redução da demanda seria brutal. Rapidamente, um terço do PIB mundial sumiria. O que sobrasse encolheria, deixando qualquer crise no chinelo. Seria um buraco negro econômico.
Mas, graças ao conhecimento acumulado, o modelo econômico e político que conhecemos hoje seria restabelecido. A prioridade imediata seria produzir alimentos e, como os países estariam mais preocupados em suprir as próprias necessidades, as economias seriam mais fechadas. "O controle da economia passaria para o Estado, até que a sociedade tivesse condições de se reestruturar", diz Alcides Leite, professor de economia da Escola Trevisan de Negócios. A sorte é que, com petróleo em baixa e o parque industrial subutilizado por causa da crise, produzir ficaria bem mais barato. Aos poucos, a civilização se recuperaria por inteiro, mas o mundo já seria outro. Como você verá a seguir.

O mundo pós-desastre

Se fosse uma cidade, ele seria assim
1. China
Populosa, acostumada a situações de emergência, com imenso potencial agrícola e parque industrial intacto, ganharia força e seria o grande expoente da economia mundial. Os chineses mais pobres se espalhariam pelo mundo e ajudariam na reconstrução dos países da América do Norte e da Europa.
2. Brasil
A parte mais devastada seria a região norte, com pouca influência sobre a capacidade produtiva do país. Com infraestrutura industrial preservada, muita terra e muita gente, em pouco tempo o Brasil entraria para o grupo dos países mais ricos e influentes do novo mundo, acompanhado por Coreia do Sul, Japão, Índia e Rússia e liderado pela gigante China.
3. Europa
Seria muito atingida por tsunamis bem na sua porção mais rica: a ocidental. Passaria por um período de fome comparável ao que foi sofrido durante a 2ª Guerra. Seriam necessários novos Planos Marshall e New Deal para tomar conta das economias, e o continente passaria a receber ajuda de ongs asiáticas e da ONU.
4. EUA
Ficariam totalmente devastados e cobertos por metros de detritos. Assim que a poeira baixasse, os americanos do norte - os únicos que sobreviveriam - buscariam reconstruir do zero o pouco do que sobraria do país e, para isso, iriam precisar de muita ajuda. Teriam que abrir novamente suas fronteiras aos imigrantes (muitos deles, chineses).
5. Oriente Médio
Sem EUA e Europa, a demanda por petróleo despencaria, seguida pelos preços. Isso seria um baque e tanto para Arábia Saudita e companhia, que, sem indústria nem cultura agrícola, não teria escolha senão voltar aos tempos dos nômades. Mas a baixa na cotação do petróleo seria um fator decisivo na recuperação econômica do mundo.
6. Sudeste Asiático
Países da Ásia, como Vietnã, Laos e Tailândia, com experiência agrícola e terras cultiváveis intactas, seriam os grandes abastecedores de cereais desse mundo faminto e pobre em terras férteis. Além de arroz, passariam a produzir muito outros tipos de grãos. Brasil e Índia também seriam importantes produtores de alimentos.

Visto em: Super Interessante

Não são apenas músicas…#18

What You Know – Two Door Cinema Club

 

In a few weeks
I will get time
To realise it's right before my eyes
And I can take it if it's what I want to do
I am leaving
This is starting to feel like
It's right before my eyes
And I can taste it
It's my sweet beginning
And I can tell just what you want
You don't want to be alone
You don't want to be alone
And I can't say it's what you know
But you've known it the whole time
Yeah, you've known it the whole time
Maybe next year
I'll have no time
To think about the questions to address
Am I the one to try to stop the fire?
I wouldn't test you
I'm not the best you could have attained
Why try anything?
I will get there
Just remember I know
And I can tell just what you want
You don't want to be alone
You don't want to be alone
And I can't say it's what you know
But you've known it the whole time
Yeah, you've known it the whole time
And I can tell just what you want
You don't want to be alone
You don't want to be alone
And I can't say it's what you know
But you've known it the whole time
Yeah, you've known it the whole time

sábado, junho 07, 2014

Um homem filmou o paraíso por 7 dias

Terje Sorgjerd é um fotógrafo norueguês apaixonado por paisagens. Seu trabalho se resume em registrar imagens fascinantes dos lugares mais lindos da Terra.

O vídeo com título de “The Mountain” (“A Montanha”), são imagens impressionantes feitas no topo da montanha mais alta da Espanha, El Teide, a mais de 3.700 metros de altura.

Como o próprio Terje diz na descrição do vídeo, o observatório no topo dessa montanha é considerado um dos melhores lugares do mundo para ver estrelas e isso era justamente o que ele queria. Flagrar momentos de tirar o fôlego da Via Láctea.

Clique no play abaixo e se deixe hipnotizar por essas imagens.

Dica: a experiência fica ainda melhor se você aumentar o som e assistir em HD.

O trabalho de Terje Sorgjerd é fantástico e você pode acompanha-lo no Facebook, no Twitter e no Vimeo.

Visto em: Awebic

sábado, maio 31, 2014

O planeta Nibiru existe mesmo?

kuiperbelt Não, não existe. A lenda surgiu com o escritor azerbaijano Zecharia Sitchin (1920-2010), que estudou escritos babilônicos com mais de 3 mil anos. Neles, aparecia a palavra "nibiru", descrita como uma posição no céu, associada ao início do verão. Sitchin, no entanto, entendeu que se tratava de um planeta. Em seus livros, ele dizia que Nibiru tinha uma órbita muito alongada e que, a cada 3,6 mil anos, o astro se aproximaria da Terra. As ideias de Sitchin foram requentadas por Nancy Lieder, uma norte-americana que dizia receber mensagens de ETs e previa a chegada do astro em 2003. Outros crentes também associaram Nibiru ao final do calendário maia, em dezembro de 2012. Mas, por enquanto, nem sinal do corpo celeste...

Perdidos no espaço

Os planetas cuja existência é incerta

NÊMESE

TAMANHO - Até 80 vezes a massa do planeta Júpiter

ORIGEM - Dois grupos internacionais de astrônomos formularam a hipótese de sua existência

TYKHE

TAMANHO - Até quatro vezes a massa de Júpiter

ORIGEM - O astrônomo norte-americano John Matese propôs sua existência em 1999

Visto em: Mundo Estranho

Agnóstico ou Ateu?

“Complementação (e correção) BRILHANTE às minhas ideias pelo Clarion:
http://www.youtube.com/watch?v=jFlXaU...
Link da Wikipedia, onde surpreendentemente está a definição que uso (e ninguém lê):
http://pt.wikipedia.org/wiki/Agnostic...
Penn Jillette usando a definição que uso (sem legendas, infelizmente):
http://www.youtube.com/watch?v=swkAGE...
Programa do Atheist Experience, onde o Matt explica a definição que uso:
http://www.youtube.com/watch?v=G1zxol...
Até tu, Richard?
http://www.youtube.com/watch?v=FhMgUJ...
Vídeos do ClarionDeLaffalot falando sobre isso:
http://www.youtube.com/watch?v=n97BCA...
http://www.youtube.com/watch?v=B2prg7...
Meu primeiro vídeo sobre isso:
http://www.youtube.com/watch?v=rFEsas...
Meu vídeo sobre a resposta à resposta à inversão do ônus da prova:
http://www.youtube.com/watch?v=U56JAy...
Vídeo do Djalessandromagno sobre evidência anedótica:
http://www.youtube.com/watch?v=voEHhx...
Sobre as definições de ateísmo, outro vídeo muito bom do 3vid3nc3, legendado:
http://www.youtube.com/watch?v=oneFRQ...
Definições de ateísmo na Wikipédia:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ate%C3%A...
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ate%C3%A...
Definições dadas pelo dicionário Oxford, no site da STR:
http://www.strbrasil.com.br/Atheos/de...
Outras explicações:
http://www.ateismo.net/2006/07/11/agn...

Visto em: Canal do Pirula

sexta-feira, maio 30, 2014

Quem irá vencer?

2052

Visto em: Um Sábado Qualquer

6 planetas com grandes chances de abrigar vida

O homem sempre quis saber se existe vida fora da Terra. Para isso, o primeiro passo é descobrir se existem outros planetas parecidos com o nosso, que contém água em forma líquida na superfície e com condições para abrigar organismos vivos da forma como conhecemos. O que os pesquisadores fazem em relação a isso? Usam aqueles supertelescópios para observar planetas que estão fora do nosso Sistema Solar. Esses corpos celestes que orbitam outras estrelas são chamados de exoplanetas.

Óbvio, nem todo exoplaneta é candidato a “nova Terra”. Dá pra tirar da conta todos os que não são habitáveis, de acordo com o conceito da astronomia para o termo. “Todo planeta contém uma porcentagem de água, mas só pode abrigar vida se a temperatura dele tornar a água liquida”, explica Gustavo Porto de Mello, astrônomo da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Por causa desse critério, a lista de exoplanetas com alguma chance de abrigar vida já fica bem mais reduzida. Mas… de quantos planetas estamos falando, afinal?

Até a década de 1990, nenhum corpo celeste havia sido encontrado fora do nosso sistema planetário.  Mas há pouco tempo, astrônomos anunciaram a descoberta de mais de 1.700 exoplanetas. Listamos 6 planetas que têm chances altíssimas de conter água líquida e, possivelmente, vida.

1. Kepler-186f

Kepler186f

Quase do tamanho da Terra, Kepler-186f gira em torno de uma estrela anã-vermelha chamada Kepler-186, na constelação de Cisne, a uns 500 anos-luz da Terra. Estrelas dessa categoria têm menos que a metade da massa do Sol. Em sua órbita, há outros planetas além desse novo primo da Terra. Mas não há indícios de vida em nenhum deles, porque estão bem perto da estrela, onde é quente demais.

Saiba mais sobre a descoberta do Kepler-186f

2.Gliese 667Cc

Gliese_667

Essa “Super-Terra” está a 22 anos-luz de nós e tem 3.9 vezes mais massa do que nosso planeta. O  Gliese 667 Cc orbita a Gliese 667, pertencente a um sistema estelar triplo (é como se o nosso sistema tivesse três sóis). O planeta demora 28 dias para completar uma volta na estrela. A Gliese 667 é mais fria e pálida que o Sol, mas o planeta se situa a pouca distância, por isso recebe energia suficiente para vida. As obsevações indicam que o planeta tenha grande quantidade de água em estado líquido.

3 e 4. Kepler-62e e Kepler-62f

kepler62e e 62f

Esses são dois dos 5 corpos que orbitam a estrela Kepler-62 que está a 1200 anos-luz de distância da Terra, tem dois terços do tamanho do nosso Sol e aproximadamente 21% de luminosidade. O Kepler-62e e o Kepler-62, segundo astrônomos, são “mundos de água” – apesar de serem mais frios do que o nosso planeta, são lugares quentes o suficiente para abrigar vida. É possível que os dois planetas estejam completamente cobertos por água em estado líquido.

“Eles são maiores do que a Terra e, talvez, com bem mais oceanos do que aqui. Isso significa que há uma boa probabilidade de existirem nesse tipo de planetas vidas não muito diferentes da nossa”, diz Eduardo Janot Pacheco, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP.

A diferença entre eles:

O -62e, é  maior que o vizinho e fica mais perto da estrela. Por isso, é mais quente, pois recebe muito mais energia. Apesar disso o -62f, tem mais chances de estar na zona habitável pelo simples fato de receber menos calor.

Entenda um pouco mais neste vídeo:

Ative as legendas em português


 


5. Kepler-283c

kepler 283c

O Kepler-283C é cerca de 1,8 vezes maior que a Terra e dá uma volta completa em torno da estrela Kepler-283 a cada 93 dias. O planeta é um dos dois mundos conhecidos para circundar a Kepler-283, que tem pouco mais de metade da largura do Sol. O outro corpo celeste no sistema, o Kepler-283b, está muito mais próximo da estrela e é provavelmente quente demais para abrigar vida.

6.Kepler-296f

Esse planeta é o mais externo dos cinco mundos confirmados circulando Kepler-296, uma estrela que tem a metade do tamanho do Sol da Terra e 5 por cento mais brilhante. Com 1,8 vezes o tamanho da Terra, este planeta completa uma órbita a cada 63 dias. O Kepler-296f é um dos 715 planetas descobertos em fevereiro pelo time da missão Kepler.

Visto em: Superlistas

quarta-feira, abril 30, 2014

Rachaduras nas paredes do Universo

images Depois do céu, tem outro céu. Sem estrelas. Se você voar alto o bastante, uma hora sai da Via Láctea. As estrelas vão ficar lá embaixo, confinadas em braços espirais. Mas ainda vai existir um céu, e ele será pontilhado de galáxias. E depois desse céu, tem outro céu. Sem galáxias.

É o que os telescópios mostram. Para além das galáxias, o que existe é uma sopa de radiação. Um caldo onipresente – que os astrônomos chamam de “radiação cósmica de fundo”. “De fundo” porque permeia tudo o que dá para ver além do domínio das galáxias. Para qualquer canto que você apontar um telescópio, essa radiação vai estar lá. Na prática, elas formam as paredes do Universo. E foi nessas paredes que acabaram de fazer uma das descobertas mais bonitas da história.

Essas paredes já eram bem conhecidas. Elas são a maior evidência do Big Bang, e, de quebra, a maior amostra de que o senso comum não entende o que realmente foi o Big Bang. Para começar, a explosão que deu origem ao Universo não foi uma explosão. Ela AINDA É uma explosão. O Big Bang continua big bangando, porque o Cosmos continua expandindo. E cada vez mais rápido. Vivemos dentro de uma “explosão controlada”. Mais importante: o Big Bang não aconteceu em algum lugar distante nas profundezas do Cosmos. Ele aconteceu exatamente aí, onde você está agora. Ele aconteceu em Guarulhos, em Júpiter e na sua testa. Ao mesmo tempo. É que, há 13,7 bilhões de anos, tudo o que existe hoje, aqui, no céu, na Crimeia ou na sua cabeça, estava espremido no mesmo ponto. E do lado de fora desse ponto não existia um “lado de fora”. Não existia nada. Todo o espaço e tudo o que preenche o espaço estava contido lá. Tudo mesmo: da energia que forma os átomos do seus cílios ao espaço físico que separa São Paulo do Rio – ou a Via Láctea da Galáxia de Andrômeda. Tudo bem apertado, numa quantidade de espaço que caberia na ponta de um alfinete. O Big Bang foi a expansão dessa quantidade de espaço. E ainda é, já que o espaço continua inflando como uma bexiga descomunal. Essa expansão, por sinal, chegou a ter uma fase especialmente acelerada – um período de trilionésimos de segundo que os astrônomos chamam de “inflação cósmica”. Para localizar melhor: o Big Bang, estritamente falando, foi o momento em que o Universo saiu do nada para virar algo do tamanho de uma partícula subatômica. Depois desse pequeno passo, veio o grande salto: a inflação cósmica. Foi aí que o Universo deixou de ser uma partícula e virou algo parecido com isso que a gente vê à noite pela janela (ainda sem estrelas, ou átomos, ou luz, mas ainda assim algo grande). Essa puberdade cósmica passou rápido. Uma fração de trilionésimo de segundo e já era: o ritmo da expansão voltou ao normal. Mas a inflação deixou rastros, resquícios daquele tempo especial, em que o Universo era uma partícula subatômica.

Foi um desses rastros que o time do astrônomo John M. Kovac, do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian, encontrou no céu do Polo Sul. Eles perceberam “rachaduras” nas paredes do Universo. Ondas, na verdade, permeando a radiação cósmica de fundo.

E aí que está a beleza da coisa. Por causa do seguinte: a ciência sabe que as forças da natureza se manifestam em forma de ondas. O eletromagnetismo, a que mantém os ímãs presos na geladeira e que faz sua mão doer se você dá um soco na mesa (graças à repulsão eletromagnética entre os átomos da sua mão e os da mesa), é feito de ondas. Ondas eletromagnéticas. Outras duas forças, menos nobres, também são feitas de ondas: a nuclear forte, que mantém os quarks unidos na forma de prótons, e a nuclear fraca, a mais figurante de todas, que age na periferia dos átomos. É o que a física quântica provou ao longo do século 20. Mas ficou um buraco nessa história. Ninguém nunca tinha encontrado as ondas que deveriam formar a força mais popular das quatro que existem: a gravidade.

Agora encontraram. É que, se existem ondas visíveis nas paredes do Universo, como os caras do Polo Sul viram, elas devem ser ondas gravitacionais. E provavelmente geradas pela violência da inflação cósmica – dá para imaginá-las como cicatrizes daquele crescimento fulminante. Para todos os efeitos, são fósseis vivos da adolescência tumultuada do Cosmos, marcas do tempo em que o Universo era uma só partícula. E elas também servem para lembrar a gente de algo mais profundo: de que somos tão parte disso tudo quanto na época em que estávamos todos juntos, ali, naquela ponta de alfinete. Não somos meros observadores do que acontece no Universo. Somos o próprio Universo.

Visto em: Crash

Comer muita carne faz tão mal quanto fumar

carnes-saludables Calma lá, vegetariano, o problema não é só a carne. Abusar dos derivados animais (queijo, ovos, leite) também pode não ser uma boa escolha. O problema é o excesso de proteínas de origem animal, não apenas o consumo de carne.

É o que diz um estudo feito por pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia. Eles descobriram que exagerar em alimentos ricos em proteínas animais aumenta em quatro vezes o risco de ter câncerrisco semelhante ao dos fumantes. E dobra a probabilidade de ter morte precoce. Pelo menos entre o pessoal da meia idade.

Para chegar à conclusão, os pesquisadores acompanharam pessoas entre 50 e 65 anos durante 18 anos. Aqueles que consumiam muita proteína (20% das calorias diárias vinham de proteínas) ocupavam o topo do ranking de vítimas em potencial do câncer (principalmente de mama ou pele). Não é preciso excluir esse tipo de comida da sua vida. É só diminuir: 0,8 g de proteína animal por quilo do seu peso é o ideal.

A explicação dos cientistas é que esse tipo de alimento reduz as atividades de um receptor hormonal que luta contra doenças relacionadas à idade. Então, quanto mais carne você come (ou queijo, leite, ovo), maior o risco de enfrentar uma dessas enfermidades lá pra frente.

Visto em: Ciência Maluca

segunda-feira, abril 28, 2014

Não são apenas músicas…#17

Perfect Stranger – Prata Da Casa

O poder da música

Musica_e_tudo (1) Quem nunca sentiu um misto de alegria, saudades, empolgação, ansiedade e até mesmo tristeza quando ouviu uma música? Acredito que seja humanamente impossível não relacionar uma melodia a algo que tenha acontecido conosco em determinado momento de nossas vidas. A música pode induzir diferentes estados emocionais em cada um de nós. Muitas vezes ela gera bem estar, mas o contrário também pode ocorrer, pois alguns tipos de ritmos podem gerar desconforto emocional e até mesmo físico.

Há alguns anos a música vem sendo associada à terapia e elementos musicais são aplicados no tratamento de diversas doenças. Segundo alguns cientistas, cada nota musical traz uma frequência de som que carrega um estado vibratório. Isso significa que cada melodia tem o seu próprio estado energético influenciando os elementos ao seu redor. Estudos feitos por um fotógrafo e autor japonês MASARU EMOTO, mostram o efeito da música nas partículas de água. Como? Resumindo, Emoto colocou uma água destilada entre dois alto-falantes por diversas horas e fotografou os cristais que se formaram depois que a água foi congelada, podendo notar que a água exposta ao som de Bach apresentava uma estrutura geométrica semelhante à água cristalina.

O poder da música nos seres humanos é ainda mais surpreendente, despertando emoções, podendo aumentar ou equilibrar o metabolismo, aumentar ou equilibrar a energia muscular, acelerar a respiração, causar mudanças no volume, pulsação e pressão do sangue, acalmar e levar à excitação entre tantos outros itens intermináveis que poderiam ser listados abaixo.

Mas, além de todos esses fatores cada um ainda poderia descrever algo que sentiu ou sente quando escuta a sua música preferida, a música do seu casamento, do seu primeiro beijo, da sua primeira balada… Nossa! Quantas são as emoções, e muitas vezes parecem se materializar, eternizando momentos que jamais pensaríamos em ter vivido!

segunda-feira, março 31, 2014

Pessoas inteligentes confiam mais nas outras

10006307_10152405563757580_1028556364_n Alguma vez na vida você provavelmente se sentiu burro por confiar em alguém e levar a pior. Não se sinta mais assim. Na verdade, confiança é sinal de inteligência.

Foi o que descobriram pesquisadores da Universidade Oxford. Eles analisaram os dados de um estudo feito a cada um ou dois anos (o General Social Survey) com a população americana sobre suas características e atitudes. Os participantes responderam a perguntas do tipo “Você diria que, em geral, a maioria das pessoas pode ser confiável ou que você não pode ser muito cuidadoso ao lidar com as pessoas?”. Eles também passaram por testes para medir a inteligência.

Coube aos sociólogos de Oxford associar a inteligência dos participantes à confiança que eles depositavam em outras pessoas. E eles perceberam que os mais espertinhos também tinham o pé menos atrás.

Uma das explicações é que os inteligentes acertam mais ao julgar as pessoas e aí escolhem bem seus parceiros – por isso desconfiam menos deles. Eles também parecem reconhecer melhor as situações em que correm o risco de serem traídos. E por isso se sentem menos ameaçados.

Visto em: Ciencia Maluca

Vacina brasileira contra HIV surpreende em testes com macacos

download Testes de uma vacina contra o vírus da AIDS desenvolvida por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) obtiveram um resultado surpreendentemente positivo em testes com macacos.

“Testamos a resposta imune dos animais e os resultados foram excelentes”, disse Edecio Cunha Neto, pesquisador que liderou os trabalhos de desenvolvimento da vacina. “Os sinais foram bem mais intensos do que os que encontramos em camundongos”.

Os cientistas ministraram 3 doses separadas por 15 dias em macacos-resos do Instituto Butantan, também em São Paulo. Eles se surpreenderam ao ver que a reação à vacina foi bem maior do que nos roedores.

A vacina contém partes de genes que codificam partes de proteínas do vírus da AIDS. Ao inserir esse DNA no corpo, peptídeos são fabricados no interior das células, sem o vírus original. Os testes realizados nos animais para terem uma imunologia parecida com a de humanos demonstraram que podemos  ”ensinar” as células responsáveis pela identificação de patógenos a reconhecer esses peptídeos e ataca-los, fazendo com que o HIV seja destruído antes que seja tarde.

Através dessa técnica,  os pesquisadores resolvem um dos maiores problemas de combate ao vírus, uma vez que ele normalmente passa ileso pelo sistema imunológico, que não o reconhece como um invasor.

Embora o resultado seja promissor, mais animais devem passar por testes. Os pesquisadores agora planejam testar 28 macacos e elaborar novas formas de administrar a vacina.

Se os novos testes forem bem-sucedidos, pesquisas com humanos deverão ser iniciadas. A equipe espera receber uma verba de R$ 250 milhões de iniciativa privada para conduzir as próximas etapas do desenvolvimento da vacina.Vacina-brasileira-contra-HIV-passa-em-testes-com-macacos

Visto em: Mistérios do Mundo

domingo, março 30, 2014

Suécia recusa Jogos de 2022 para não usar dinheiro público

estocolmo Estocolmo, na Suécia, decidiu acabar de vez com a possibilidade de ser sede dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022. Em votação entre os partidos políticos, com apoio até do prefeito da cidade, os suecos optaram por não se candidatar à disputa para receber o evento.
Os argumentos? A cidade tem prioridades mais importantes, a conta para organizar os jogos seria alta demais e um eventual prejuízo teria de ser coberto com dinheiro público. Para os partidos, aceitar os jogos seriam "especular com o dinheiro do contribuinte". O primeiro-ministro Fredrik Reinfeldt também se mostrou contra.
"Não posso recomendar à Assembleia Municipal que dê prioridade à realização de um evento olímpico. Temos outras necessidades, como a construção de mais moradias", disse o prefeito Sten Nordin, em declarações publicadas pelo jornal Dagens Nyheter e reproduzidas pela BBC.
No jornal Dagens Nyheter, o secretário municipal de Meio Ambiente de Estocolmo, Per Ankersjö, escreveu um artigo defendendo a decisão. "Os cidadãos que pagam impostos exigem de seus políticos mais do que previsões otimistas e boas intuições [sobre o orçamento]. Não é possível conciliar um projeto de sediar os Jogos Olímpicos com as prioridades de Estocolmo em termos de habitação, desenvolvimento e providência social", disse.
A cidade tinha apresentado seu plano em novembro de 2013. Em fevereiro, a cidade russa de Sochi recebeu os jogos desse ano. Os de 2018 serão em Pyeongchang, na Coreia do Sul.

Visto em: Planeta Sustentável

terça-feira, março 11, 2014

Quando Albert não era um Einstein

Albert_Einstein_(Nobel) Albert não era nenhum Einstein. Os professores não iam com a cara dele. Nunca suportou a sala de aula. E só conseguiu se formar porque um amigo emprestava cadernos para ele estudar antes das provas. O diploma até veio, mas não adiantou grande coisa: o rapaz ficou dois anos sem arranjar um emprego decente. “Não sabia de onde viria minha próxima refeição”, lamentava. Albert tinha 21 anos.

Formado em física e matemática pela Escola Politécnica de Zurique, na Suíça, o alemão não conseguia uma vaga de professor de jeito nenhum – a fama de aluno relapso não ajudava. Suas tentativas de fazer doutorado também só davam na água. Desencantado da vida, passou a viver dos trocados que levantava dando aulas particulares. “Abandonei completamente a ambição de algum dia trabalhar numa universidade”.

Uma pena. Só que ele não era mais moleque: precisava arranjar alguma coisa estável logo. Do jeito que as coisas iam qualquer trabalho com salário fixo já estava ótimo. E foi aí que o mesmo amigo que emprestava cadernos para ele, Marcel Grossmann, o indicou para um emprego numa repartição pública suíça, o Escritório de Patentes, em Berna. O trabalho teria pouco a ver com ciência. Mas e daí? O fato é que “esse negócio chato de passar fome”, como ele mesmo disse numa carta emocionada para Grossman, iria acabar: “Estou realmente tocado por você não ter esquecido seu amigo azarado. Vou fazer tudo o que puder para não desonrar sua indicação”.

Não desonrou. Assumiu a vaga de “Expert de Terceira Classe” em 1902, aos 22 anos e, se a moda já existisse, teria ganho vários títulos de Funcionário do Mês. O trabalho dele era analisar calhamaços de especificações técnicas, comparando os projetos de quem requeria patentes com invenções que já estavam patenteadas. Chato.

E Albert passaria sete anos na repartição. Oito horas por dia, seis dias por semana. Mas foi de lá, da mesinha dele, que ele produziu boa parte de sua obra. Albert provou a existência dos átomos (com a Teoria do Movimento Browniano), fundou um pilar da física quântica (com a Teoria do Efeito Fotoelétrico, que lhe renderia um Nobel aos 42 anos). E ainda viria o Sgt. Pepper’s dele: a Teoria Especial da Relatividade, que apresentava o tempo e o espaço como uma coisa só; e a matéria e a energia como duas faces da mesma moeda. Era a maior revolução da história do pensamento. Agora sim: Albert virava um Einstein. Tudo nos intervalos de um trabalho massacrante. Escondido do chefe.

Quando for reclamar da sua vida, vale lembrar do que esse cara fez com a dele.

Visto em: Crash

sexta-feira, fevereiro 28, 2014

O paradoxo do avô

Paradoxo-do-Avô1 Supondo que pudéssemos voltar no tempo, haveria algumas situações no mínimos estranhas. E a mais conhecida delas é conhecida como o paradoxo do avô.

O paradoxo consiste é o seguinte: uma pessoa viaja de algum modo para o passado e decide matar seu avô antes que ela conheça a esposa dele, ou seja, sua avó. Desse modo, a existência dessa pessoa logo torna-se impossível, pois ela não poderia ter nascido.

Aí nasce o principal paradoxo da viagem no tempo, pois surge um conflito lógico a partir do momento em que você altera os acontecimentos do passado, seja lá o que for. O mínimo que você altera no passado geraria consequências inimagináveis no futuro: é a Teoria do Caos em ação. Qualquer ação que o viajante do tempo fizer no passado poderia mudar o curso da história.

Supondo que seja possível voltar no tempo, alguns cientistas acham que é impossível mudar o passado – seria possível apenas observá-lo, sem realizar qualquer ação. Mas há uma outra teoria, que pode resolver esse paradoxo (ou criar inúmeros outros).

A solução pode ser os infinitos universos paralelos. Nesse exemplo, quando a pessoa mata seu avô, ela vai para um universo paralelo, onde ela nem sequer existiria, pois nunca poderia ter nascido. Um exemplo menos trágico seria se uma pessoa voltasse no tempo e escolhesse fazer outro curso na faculdade. Logo, ela conheceria outras pessoas, encontraria um par, teria filhos, tudo isso em outro universo.

Outra tese sugere que quando voltamos no tempo, nossas memórias do futuro são apagadas. Mas as nossas ações seriam as mesmas que fizemos antes? Bem, isso acaba gerando outro paradoxo…

Uma outra teoria elaborada pelo cientista norte-americano Kip Thorne que alguém que volta no passado nunca poderia estar uma posição de interferir no futuro. No exemplo anterior, a pessoa jamais encontraria o avô, ou então, se o encontrasse e tentasse atirar nele, sempre erraria o alvo. Avô e neto seriam como ímãs que se repelem.

A Teoria da Relatividade permite tanto viagens para o futuro (que em tese são muito mais simples, bastando apenas acelerar muito) quanto viagens para o passado. Até que alguém efetivamente consiga voltar no tempo, será impossível saber exatamente o que acontece ou não, e infelizmente ainda estamos muito longe dessa proeza.

Visto em: Mistérios do Mundo

Cerveja pode deixar você jovem por mais tempo

000_par7335598 Segundo pesquisadores das universidades de Tel Aviv  e Columbia, o álcool pode manter você jovem por mais tempo. Já o café tem efeito oposto: envelhece.

É que cada vez que as células do seu corpo se dividem, elas fazem cópias das pontas dos cromossomos (os telômeros), que são sequências de DNA. Só que os tais telômeros ficam mais curtos a cada divisão – até não poderem mais se dividir e morrerem. Faz parte do processo natural de envelhecimento.

MAS, olha só, o álcool pode retardar esse encurtamento e manter o DNA vivo por mais tempo. Sim, álcool. Pelo menos funcionou com as leveduras expostas à substância pelos pesquisadores. E como elas dividem importantes semelhanças genéticas com a gente, eles acreditam que o resultado seja o mesmo em seres humanos. Ah, e o café, por outro lado, acelera o encurtamento dos telômeros.

“Pela primeira vez, nós identificamos alguns fatores ambientais que alteram o comprimento do telômero, e mostramos como eles fazem isso”, diz Martin Kupiec, um dos autores da pesquisa. “O que aprendemos pode um dia contribuir para a prevenção e o tratamento de algumas doenças”.

Pronto. Agora você já pode comemorar feliz o fim da semana.

Visto em: Ciência Maluca

quarta-feira, fevereiro 05, 2014

Não são apenas músicas…#16

Legião Urbana – Teatro dos Vampiros

Sempre precisei de um pouco de atenção
Acho que não sei quem sou
Só sei do que não gosto
E destes dias tão estranhos
Fica poeira se escondendo pelos cantos
Este é o nosso mundo: o que é demais nunca é o bastante
E a primeira vez é sempre a £ltima chance.
Ninguém vê onde chegamos:
Os assassinos estão livres, nós não estamos
Vamos sair - mas não temos mais dinheiro
Os meus amigos todos estão procurando emprego
Voltamos a viver como há dez anos atrás
E a cada hora que passa
Envelhecemos dez semanas
Vamos lá, tudo bem - eu só quero me divertir
Esquecer, dessa noite ter um lugar legal pra ir
Já entregamos o alvo e a artilharia
Comparamos nossas vidas
E esperamos que um dia
Nossas vidas possam se encontrar
Quando me vi tendo de viver comigo apenas
E com o mundo
Você me veio como um sonho bom
E me assustei
Não sou perfeito
Eu não esqueço
A riqueza que nós temos
Ninguém consegue perceber
E de pensar nisso tudo, eu, homem feito
Tive medo e não consegui dormir.
Vamos sair - mas não temos mais dinheiro
Os meus amigos todos estão procurando emprego
Voltamos a viver como há dez anos atrás
E a cada hora que passa
Envelhecemos dez semanas
Vamos lá, tudo bem - eu só quero me divertir
Esquecer, dessa noite ter um lugar legal pra ir
Já entregamos o alvo e a artilharia
Comparamos nossas vidas
E mesmo assim, não tenho pena de ninguém.

O homem continuará evoluindo?

homem O homem é um ser muito especial.  Por ser um animal, é aparentado com os demais animais que vivem no planeta.  Por ser especial, é o único capaz de estudar de forma sistemática o mundo, de transformá-lo em profundidade e de arcar com a responsabilidade por essas transformações.

Se tivéssemos que classificar o homem usando a escala zoológica, diríamos que ele é um metazoário que pertence ao filo dos Cordados, ao subfilo dos vertebrados, à classe dos mamíferos e à ordem dos primatas. Dentre os primatas, ele faz parte da família dos hominídeos, é do gênero Homo e da espécie Homo sapiens.

Denominamos Homo sapiens (que significa “homem sábio”) as espécies de hominídeos que possuem um esqueleto semelhante ao nosso, além do mesmo – ou quase mesmo – volume craniano.  Reconhecem-se três variedades: o H. sapiens  arcaico (parecido com o Homo erectus), o H. sapiens neanderthalensis, ou Homem de Neanderthal, e o H. sapiens sapiens, variedade à qual pertencemos.  A nossa espécie – Homo s. sapiens – é a única espécie de hominídeos que sobreviveu até hoje.  Os fósseis mais antigos datam de 200.000 anos, mais ou menos.

Obviamente, a nossa sobrevivência se deve à nossa adaptação ao ambiente, isto é, nós estamos “de bem” com a seleção natural, por enquanto.

A evolução é um processo muito lento. Conhecemos o mecanismo básico: o ambiente age sobre as populações, nas quais há variabilidade, selecionando os organismos com características mais adaptadas em relação ao ambiente; por isolamento geográfico e, posteriormente, reprodutivo, podem surgir novas espécies.

Por ser um processo muito lento, não faz parte da nossa experiência de vida presenciarmos o surgimento de novas estruturas numa espécie a partir de outras que já existem. No entanto, uma coisa é certa: as grandes mudanças da evolução, que levam milhões de anos para acontecer, são na realidade constituídas pela soma de muitas pequenas mudanças, quase imperceptíveis, que ocorrem ao longo dos tempos.

O cientista que estuda a Genética das Populações se interessa exatamente por essas “micromudanças”, que, somadas, constituem um processo evolutivo mais amplo. Por exemplo, uma simples modificação na porcentagem de genes alelos dentro de uma população, no decorrer de um curto período de tempo, é um indício que está ocorrendo uma “microevolução”.  Isto é, descobrir que a taxa de um gene está aumentando com o tempo já faz perceber que está acontecendo uma evolução, embora em miniatura.

Vejamos alguns exemplos:

190 mil anos atrás:  Embora a linhagem dos hominídeos seja mais antiga, aparecem durante essa época os primeiros fósseis cuja anatomia é praticamente idêntica à nossa. No entanto, não apresentavam cultura, comportamento complexos ou instrumentos refinados para o uso no cotidiano.

35 mil anos atrás: Durante esse período, é provável que o H. sapiens neanderthalensis tenha se cruzado com a nossa espécie. Durante esse cruzamento, um gene específico que favorecia o crescimento do cérebro foi introduzido em nosso genoma.  O aumento da frequência desse gene sugere que ele foi favorecido pela seleção natural –  afinal, um cérebro mais evoluído é bastante vantajoso.

20 mil anos atrás: Nessa época, surgiu a cera de ouvido. Ora, você deve se perguntar: “Afinal, o que tem de mais?”.  No entanto, calma lá! Acontece que o mesmo gene que regula essa característica também diminui a produção de suor. Alguns cientistas propuseram que ele surgiu entre os povos que habitavam o nordeste do continente asiático, um lugar bastante frio – lá, não é uma boa ideia ficar suando nas temperaturas baixíssimas.

10 mil anos atrás:  Surgem os primeiros humanos com olhos azuis.  A mutação teria se espalhado através da seleção sexual – algum grupo pode ter achado a característica atraente.

6 mil anos atrás: Por volta de 6 mil anos atrás, os adultos tornaram-se capazes de digerir leite (lactose). Na maior parte da história humana, somente as crianças bebiam leite puro. Entretanto, com a domesticação das vacas, tornou-se vantajoso para os adultos também absorver o alimento.

1,2 mil anos atrás: Em algum lugar da Europa – possivelmente Grã-Bretanha ou Irlanda -, uma alteração genômica no gene HFE aumentou a capacidade do nosso organismo de absorver ferro, conferindo, portanto, maior proteção contra anemia.

700 anos atrás: Em algum lugar da Europa, durante a Idade Média, uma mutação que “desligou” o gene CCR5 deu aos indivíduos que possuíam tal gene maior resistência à AIDS – o CCR5 funciona como uma “porta” para o vírus HIV.  É que ele também protege contra o micróbio da peste negra.

Ao que tudo indica, a nossa evolução não cessará tão cedo.  A população humana cresceu umas 7 mil vezes desde que a agricultura surgiu, chegando à incrível marca de 7 bilhões de indivíduos habitando o planeta Terra.   Mais pessoas significa mais cópias do DNA humano circulando pelo mundo.  Mais cópias = mais mutações nesse DNA – e mutações são o motor da evolução.  Não obstante, o H. sapiens sapiens colonizou praticamente todos os ambientes do planete Terra e criou culturas das mais variadas – ou seja, um grande número de oportunidades para que as novas mutações sejam vantajosas.

Visto em: Mistérios do Mundo

sexta-feira, janeiro 31, 2014

quinta-feira, janeiro 30, 2014

Evitar discussões pode acabar com seu relacionamento

foto-casal-triste-05-ok-valendo1 Você já ouviu aquele conselho “é melhor ser feliz do que ter razão”? Até faz sentido. Em todo relacionamento, em algum momento, alguém precisa ceder. Só que ficar nessas sempre, só para evitar brigas e discussões, não funciona muito bem. E pode arruinar seu namoro.

Foi o que quase aconteceu com um homem da Nova Zelândia. Ele e a mulher queriam avaliar a qualidade de vida deles. Já os pesquisadores da Universidade de Auckland queriam testar se o tal conselho melhora mesmo a vida dos casais. Pediram, então, ao homem para concordar com absolutamente tudo que a mulher pedisse (ou com todas as reclamações) pelos próximos dias. Ela não sabia nada sobre isso.

A situação só piorou a vida do casal. Em 12 dias, a qualidade de vida do homem caiu de 7 para 3. E a dela nem melhorou tanto assim: subiu de 8 para 8,5. Segundo o marido, ao invés de gerar harmonia, a atitude dele encheu a mulher de razão e a fez ficar ficava cada vez mais crítica e chata. No décimo segundo dia, ele não aguentou. Contou a ela sobre o teste e colocou fim ao estudo – e ao inferno que a vida tinha virado.

Por ter incluído apenas um casal no experimento, claro, a pesquisa não firma conclusões definitivas sobre o assunto. Mas vale a pena ficar esperto: ser pau mandado o tempo inteiro pode não ser a melhor das escolhas…

Visto em: Ciência Maluca

segunda-feira, janeiro 27, 2014

A ameaça humana

humanidade-extinta Esqueça a colisão inesperada de asteroides, erupções vulcânicas globais ou alterações no campo magnético da Terra. Um vilão muito mais perigoso está nesse momento promovendo uma silenciosa extinção em massa de espécies. É, você adivinhou: o ser humano.
Nosso planeta presenciou 5 grandes extinções em massa nos últimos 500 milhões de anos. Dentre elas, a dos dinossauros é a mais famosa. E, ao que tudo indica, o homem iniciou a sexta grande matança há milhares de anos, quando adquiriu inteligência suficiente para manipular os ecossistemas a seu bel-prazer. E hoje estamos presenciando a maior extinção em massa de plantas e animais já vista na história da Terra.
Hoje, nosso planeta possui cerca de 2 milhões de espécies identificadas. Nos próximos 100 anos, metade delas estará extinta! É o que afirma Edward Wilson, famoso biólogo americano, no livro O Futuro da Vida. E o culpado é quem ele chama de "o assassino planetário". "No mundo inteiro, sempre que humanos penetram em um novo ambiente, a maior parte da megafauna desaparece", diz. Os animais grandes, lentos e saborosos são sempre os primeiros dizimados. Quando o homem extermina a fauna de uma região, muda-se para outra, onde a destruição continua.
No curto período de tempo em que o homem está sobre a Terra, já poluiu o ar, o solo e o mar, promoveu o desmatamento descontrolado, a caça e a pesca predatórias e explorou recursos naturais ao extremo. Agora ele está até mesmo alterando o clima do planeta inteiro pela emissão de combustíveis fósseis. Diversas espécies de mamíferos, pássaros, répteis, peixes, insetos e até vegetais já foram extintas. Muitas delas são extintas antes mesmo de serem descobertas.
Colocar a natureza em risco também coloca em perigo a humanidade. "Os serviços e o valor econômico proporcionado pelas espécies são insubstituíveis e essenciais ao nosso bem-estar", diz Jon Paul Rodríguez, vice-presidente da Comissão de Sobrevivência das Espécies da IUCN (União Internacional pela Conservação da Natureza, na sigla em inglês). Aí entram medicamentos extraídos da biodiversidade, recursos naturais para alimentar a população humana e até mesmo a matéria-prima para a produção dos bens de consumo mais supérfluos. O que antes estava disponível quase de graça na natureza terá de ser recriado artificialmente, custando muito caro. Será que dá pé?
No ritmo atual de destruição, num futuro próximo até os zoológicos serão coisas do passado. Sobrará apenas o lamento humano do progresso conquistado à custa de uma rica biodiversidade. Se tanto. Caso a famosa hipótese Gaia esteja correta (sugerindo que a vida na Terra faz a regulação do ambiente planetário, inclusive domando aquecimentos e resfriamentos globais, como se o planeta inteiro fosse uma única criatura gigante), talvez sua morte leve à nossa também.
Há, contudo, quem afirme que a sobrevivência dos seres vivos na Terra tem solução, e o desaparecimento de animais e vegetais pode ser evitado com a extinção de uma única espécie: nós.
Convenhamos, pode até ser uma solução. Mas é decepcionante pensar que somos incapazes de coexistir pacificamente com a natureza, ainda mais levando em conta todo o conhecimento que adquirimos dela nas últimas décadas. Parte dele sugere que simplesmente não podemos viabilizar nossa própria existência se destruirmos o resto da biosfera, de onde tiramos nosso sustento. E o consenso é que dá para fazer melhor.

CADÊ O BICHO QUE TAVA AQUI? - A escala da devastação

Você já viu um lobo-da-tasmânia? Hoje, ele está extinto. E o tigre-persa? Extinto. Codorna-da-nova-zelândia? Extinto. São apenas 3 exemplos de uma lista de centenas de animais que foram extintos pelo homem somente nas últimas décadas. Atualizada em 2012, a Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas, produzida pela União Internacional pela Conservação da Natureza (IUCN, em inglês), já totaliza mais de 19 mil espécies sob risco de desaparecer. O grupo ainda enfatiza que, mesmo com programas de conservação, 41% de anfíbios, 33% de corais formadores de recifes, 25% de mamíferos, 13% de aves e 30% de coníferas podem desaparecer nas próximas décadas.

sábado, janeiro 11, 2014