segunda-feira, dezembro 26, 2016

Parábola sobre a realização dos desejos

Nos arredores do Universo tinha uma pequena lojinha. Há tempos não tinha uma placa, mas o seu dono não queria colocar outra, porque todo mundo que vivia perto sabia muito bem onde os desejos eram vendidos.
A mercadoria era muito variada, quase tudo podia ser comprado lá: iates enormes, casas, um companheiro, o cargo de vice-presidente de uma corporação, dinheiro, filhos, o trabalho dos sonhos, um corpo belo, a vitória num concurso, grandes carros, poder, sucesso e muito mais. A única coisa que não se vendia eram a vida e a morte, tarefa do escritório principal localizado em outra galáxia.
A primeira coisa que cada um que chegava na loja fazia (porque havia algumas pessoas que nem sequer iam à loja, e ficavam em casa, de braços cruzados, cuidando do seu desejo), era perguntar o preço do seu desejo.
Os preços eram todos diferentes. Por exemplo, o emprego dos sonhos custava renunciar à estabilidade e à previsibilidade, exigia estar pronto para planejar e estruturar a vida por conta própria, usar a autoconfiança, ter confiança nas próprias forças e permitir-se trabalhar onde ditasse o coração e não onde a sociedade ordenava.
O preço do poder, por sua vez, era um pouco mais alto: havia que renunciar a algumas das suas convicções, saber encontrar uma explicação racional para tudo, saber aplacar os demais e valorizar a si mesmo, dar-se a oportunidade de dizer ’eu’, falar sobre si mesmo sem se importar se os outros concordavam ou não com isso.
Alguns dos preços pareciam estranhos. O casamento poderia ser obtido quase sem dar nada em troca, mas ter uma vida feliz era muito caro. Fazia parte do seu preço assumir a responsabilidade da própria felicidade, ter a capacidade de aproveitar a vida, saber o que se quer, recusando-se a que todos gostem de você, ser capaz de valorizar o que você tem, permitindo-se ser feliz, ser consciente do seu próprio valor, recusar-se a ser a vítima, correr o risco de perder alguns amigos e conhecidos, e a firme determinação de amar.
Nem todos que chegavam na loja vinham prontos para comprar um desejo instantaneamente. Alguns se decepcionavam e apenas viam o preço do seu desejo. Outros passavam um longo tempo pensando, recontando o que tinham e analisando de onde tirar o que precisavam. Outros começavam a reclamar dos preços elevados, pediam descontos ou perguntavam quando seriam as promoções.
Havia outros que traziam todas as suas economias, e em troca recebiam o seu desejo tão ansiado embrulhado num lindo papel de presente dourado. Com certa frequência também apareciam aqueles que recebiam os seus desejos sem pagar nada, porque eram amigos do dono, e os outros olhavam com inveja e receio.
Quando perguntavam ao dono da loja se ele não temia fazer muitos inimigos ou ficar sem clientes, ele negava com a cabeça e respondia que sempre haveria corajosos dispostos a se arriscar, a mudar de vida, a renunciar em ter uma existência previsível e comum, aqueles capazes de acreditar em si mesmos, com a força e os meios para pagar o preço da realização de seus desejos.
Uma coisa que também me lembro é que na porta da loja esteve pendurado, durante centenas de anos, um aviso que dizia: «Se o seu desejo não se cumpriu, é porque você ainda não o pagou.»

Visto em: Incrível Club

Por que você deveria fazer as pazes antes de dormir

Nunca deixe para resolver seus problemas no dia seguinte. Dormir com a cabeça cheia de frustrações e desavenças mal resolvidas só piora a situação. É que o cérebro, durante o sono, consolida e guarda as memórias vividas durante o dia. E levar sentimentos negativos para a cama só torna mais difícil a tarefa de esquecê-los depois.
A descoberta é de pesquisadores ingleses. Eles convidaram 73 homens para ver 26 pares de foto: uma 3×4 de pessoas junto a uma imagem perturbadora (criança chorando ou alguém mutilado). No dia seguinte, todos eles voltaram ao laboratório para contar como eram as fotos – e tentar excluir as imagens horríveis que acompanhavam os retratos. Ainda assim, a maioria acabava associando os rostos às cenas tristes.
Logo em seguida, os pesquisadores mostraram outros 26 pares de fotos, seguindo a mesma lógica da anterior. Meia hora depois, conversaram sobre as imagens, na tentativa de dissociar a pessoa retratada da cena ruim mostrada ao lado. Quando foram descrever, mais uma vez, essas novas fotos, a tarefa ficou mais fácil: eles esqueceram mais rapidamente as situações negativas ligadas ao rosto de cada pessoa.
Durante todo esse processo de recordar e dissociar as imagens, os cientistas escanearam o cérebro de seus voluntários. E perceberam que a tentativa de apagar cenas negativas vivenciadas e relembradas no mesmo dia ativava apenas o hipocampo. Quando tentavam apagar as sensações negativas das fotos do dia anterior, depois de uma noite toda de sono, outras áreas do cérebro entravam em ação. Aí ficava muito mais difícil apagar essas imagens.
Ou seja: em caso de briga, resolva a situação antes de dormir. Ou o dia seguinte pode ser ainda pior.

Visto em: Ciência Maluca

segunda-feira, dezembro 05, 2016

domingo, dezembro 04, 2016

Cachorros desprezam inimigos dos donos


Cachorros são bichos tão fiéis que levam muito a sério aquela velha frase: desafeto de amigo meu só pode ser meu inimigo também. Eles percebem quando alguém não é lá muito legal com seus donos. E despejam neles o pior sentimento de todos: o desprezo.

Em um teste, voluntários pediam ajuda a outra pessoa para abrir um potinho. Algumas vezes, o sujeito, que na verdade era um ator contratado, se negava a ajudar e em outras colaborava numa boa. Ao lado do dono, o cachorro presenciava tudo bem atento.

Logo em seguida, outra pessoa se aproximava do ator e os dois ofereciam comida ao cão. Eles tendiam a recusar a oferta dos atores que agiram mal com os donos – e a preferir o petisco do desconhecido.

Mas não valorizavam tanto assim os caras bonzinhos. Na disputa entre um desconhecido e o ator “do bem”, os cachorros pegavam aleatoriamente qualquer pedaço de comida – fosse ela dada pelo cara gente boa ou por outra pessoa qualquer. Nesse caso, tanto fazia quem oferecia o rango.


Visto em: Ciência Maluca

segunda-feira, outubro 31, 2016

Tirar selfies deixa seu dia mais feliz

Pode parecer um tanto quanto egocêntrico postar uma selfie por dia no Facebook. Mas faz um bem danado para sua autoestima. E esse pequeno ato é capaz de deixar seu dia mais feliz.

Foi o que aconteceu com 41 voluntários de uma pesquisa americana. A maioria deles passava por um momento de adaptação. Quase todos haviam acabado de entrar na faculdade – aquela fase de recomeçar do zero suas amizades, ser aceito em um grupo novo e que, geralmente, faz bater um pouquinho de insegurança.

Durante três semanas, eles toparam o desafio de postar pelo menos uma selfie por dia nas redes sociais. Mas precisava ser uma foto feliz: com um sorrisão estampado na cara. E funcionou muito bem. Todos disseram se sentir mais confiantes depois da maratona de selfies – e a cada nova foto o dia deles ficava mais feliz.

É fácil entender a razão. Quando os amigos interagiam com as fotos, essas pessoas se enchiam de confiança e se sentiam mais conectados aos outros. Como se toda aquela tensão e estresse que sentiam ficasse um pouco mais leve.

Viu só? No fim das contas, pode tirar selfie à vontade – a ciência recomenda. Vai fazer bem. E quem se cansar da sua cara que deixe de te seguir
😉
Visto em: Ciência Maluca

Por que os jovens já não querem comprar carro nem casa própria?

Tradicionalmente, o que se convencionou chamar de sucesso é medido pelo fato de ter casa própria e carro. Mas isso já não é mais assim. A cada dia, aumenta o número de jovens que optam em não adquirir este tipo de bens.

Diversos estudos especializados mostraram que cada vez menos pessoas da chamada ’geração Y’ (que hoje têm cerca de 30 a 35 anos) compram casa. Sem falar no número ainda menor de interessados em adquirir um automóvel. Na realidade, eles não fazem quase nenhum tipo de gasto grande, sem contar os iPhones, é claro.

Nos Estados Unidos, jovens de até 35 anos são conhecidos como ’a geração dos alugadores’. Por que isso acontece? Alguns sociólogos têm certeza de que os jovens de hoje estão mais atentos, sabendo que podem enfrentar crises financeiras e, por isso, temem fazer grandes financiamentos.

Mas isso não é o principal. O fundamental é que a ’geração Y’ se diferencia da geração de seus pais quanto aos valores. São muito diferentes.

Os jovens redefiniram sucesso. Antes, dizia-se que alguém de sucesso era aquele com casa própria e pelo menos um carro. Mas agora valoriza-se quem investe seu dinheiro em experiências, viagens e aventuras.

Jovens vêm deixando conscientemente de comprar bens móveis e imóveis, preferindo recorrer ao aluguel. Hoje em dia, as pessoas preferem horários de trabalho mais flexíveis, independência econômica e geográfica ao que antes era tido como prosperidade e estabilidade.

As coisas materiais estão deixando de despertar o interesse das pessoas. Para que ter um carro se você pode usar o transporte público, táxi, bicicleta ou Uber? Sobretudo nas grandes cidades, há alternativas ao uso do transporte motorizado próprio.

Para que comprar uma casa em um lugar lindo para poder descansar, se você pode, através de plataformas como ’Airbnb’, encontrar um lugar em qualquer lugar do Planeta? Não é necessário sequer fazer um contrato formal de aluguel, nem comprar uma casa no país onde você deseja viver naquele momento. É o mesmo que acontece com os bens imóveis na cidade natal. Em primeiro lugar, a pessoa não sabe por quanto tempo mais irá morar no mesmo lugar em que vive atualmente. Em segundo lugar, para que se comprometer com um financiamento de 40 anos se, por um lado, isso significa viver o resto da vida como se estivesse pagando aluguel? No fim das contas, o mais provável é que a pessoa mude seu local de trabalho muitas vezes do decorrer dos anos, e quando se vive de aluguel, não há nada que impeça alguém de se mudar para um novo bairro, mais próximo do local de trabalho. A revista Forbes já disse que os jovens contemporâneos mudam de trabalho em média três vezes por ano.

O próprio conceito de propriedade das coisas já não é mais a mesmo.

O crítico James Gamblin, colunista da revista Atlantis explica o fenômeno da seguinte maneira: "Durante os últimos dez anos, psicólogos fizeram várias investigações que demonstram que, levando em conta a felicidade e a sensação de bem estar, é muito melhor gastar dinheiro adquirindo novas experiências do que comprando coisas. Isso é o que deixa as pessoas mais felizes."

Trecho extraído do artigo de Gamblin:

"Parece que as pessoas não querem ouvir histórias sobre onde você comprou uma casa, e sim ouvir o quão maravilhoso foi seu fim de semana. Até mesmo uma experiência ruim pode se transformar numa história fascinante. A interação social entre as pessoas desempenha um papel muito importante na hora de definir se elas serão felizes ou não. Logo, é preciso conversar com outras pessoas e ter muitos amigos. Obviamente, os outros irão gostar mais de ouvir sobre uma viagem maluca e inesperada, ou sobre como alguém morou em um país desconhecido, do que ouvir quantas casas alguém conseguiu comprar."

E tem mais uma coisa. O que acontece é que as coisas que nós possuímos, especialmente se forem caras, nos obrigam a nos preocupar com elas. Basta comprar um carro para se assustar sempre que algum alarme é disparado na rua. Quando se compra uma casa e muitos eletrodomésticos para que o lar seja confortável, surge o medo de a casa ser invadida por ladrões. Isso sem falar que automóveis acabam ganhando arranhões, batidas, e os televisores caros teimam em funcionar perfeitamente durante apenas um ano. Por outro lado, experiências e aventuras vividas continuam para sempre onde estão. Ninguém pode tirá-las de você.

Em sua maioria, nossos pais não tinham a chance de viajar tanto nem de ir a lugares tão distantes como nós temos hoje. Eles não tinham a possibilidade de se divertir como fazemos agora. Não tiveram tantas chances de abrir um negócio próprio, por isso investiram em bens móveis e imóveis, mas nós não precisamos seguir seus passos nesse sentido. Além disso, qualquer compra — que não seja uma casa ou apartamento — irá perder seu valor com o tempo. E se você der uma olhada no ritmo lento e na recessão do mercado imobiliário, tudo fica ainda mais óbvio.

O importante é que as experiências não se desvalorizam e não podem ser roubadas.


Visto em: Incrível

Admiro pessoas simples, gente que não se acha mais que ninguém


Todos nós gostamos de pessoas simples e humildes que não se acham mais do que ninguém. Estas pessoas fogem da humildade falsa do “Eu faço tudo melhor”, do orgulho e do egoísmo desmedido. Elas, melhor do que ninguém, percebem que a arrogância das pessoas com ar de superioridade é tão insuportável quanto desprezível.

Além disso, falar com arrogância e gabar-se com muita frequência geralmente reflete algum tipo de falta, vazio ou insatisfação com a própria vida. É caso para dizer que essas atitudes são próprias de alguém que faz “muito barulho por nada”.

Muitas vezes quanto mais vazio por dentro alguém é, mais barulho faz. Quando vemos uma pessoa falando demais, interrompendo a conversa de todos, sendo precipitada ou violenta, vangloriando-se do que tem, sentindo-se arrogante e diminuindo as outras pessoas, pode ser sinal de alguém vazio. “Diz-me do que te gabas e eu te direi o que te faz falta.”

A humildade é saber silenciar as nossas forças e permitir que os outros as descubram. Ninguém está mais vazio do que aquele que está cheio de si mesmo.

As pessoas simples e humildes são as melhores porque elas não têm necessidade de competir ou de estarem certas. Elas não precisam fingir ou mentir, porque o que são é mostrado nas suas ações, na sua postura e no seu equilíbrio.

Mas há pessoas que, infelizmente, estão tão vazias que se alimentam de se vangloriar e de se gabar, estão tão vazias que procuram desesperadamente aprovação através das suas palavras vazias.

Quando conseguimos algo muito importante para nós mesmos é normal e habitual mostrar orgulho, no entanto, há uma grande diferença entre o orgulho do esforço por ter alcançado um objetivo e a arrogância.

Nada do que possamos conseguir nos faz dignos de louvor ou superiores aos outros. Apenas a bondade e a humildade nos ajudam a elevar-nos e a construir suportes para a nossa própria felicidade.

Visto em: Já Foste

quarta-feira, agosto 31, 2016

Agosto é um mês marcado por mortes e afastamentos na política brasileira


A história é cheia de coincidências. Vinte e quatro de agosto, por exemplo, é uma data cruel com os italianos: em 79 d.C., o vulcão Vesúvio entrou em erupção; no ano de 410, Roma foi saqueada pelos visigodos e, em 2016, o país sofreu tremores de magnitude 6,2, que deixaram centenas de pessoas desabrigadas e feridas.

O pernambucano não foi o único. No dia 22 de agosto de 1976, morria o ex-presidente Juscelino Kubitschek, em um acidente de carro na estrada perto de Resende, no Rio de Janeiro. Vinte e dois anos antes, em 24 de agosto, Getúlio Vargas se suicidava no Palácio do Catete, no Rio de Janeiro.A Itália não é a exceção: o mês de agosto carrega uma série de eventos marcantes da política brasileira. Há dois anos, no dia 13 de agosto, morria o candidato à presidência Eduardo Campos, em um acidente de avião em Santos, no litoral de São Paulo.

No dia 25 de agosto, Jânio Quadros renunciava ao cargo de presidente do Brasil, passando o bastão para João Goulart. E nesta quarta-feira (31), a maioria do senado brasileiro decidiu pelo afastamento de Dilma Rousseff, o que torna Michel Temer o novo presidente do país.

A triste geração que virou escrava de si mesma

“Os jovens estão prontos a desejar e realizar o que eles desejam. Os desejos corporais obedecem às ordens de prazer sensual, que eles são incapazes de controlar. Mas esses desejos são mutáveis, e logo eles se cansam. O que desejam, o desejam com extremo ardor, porém logo se desinteressam como a fome e a sede do doente.

Eles são apaixonados, de temperamento quente, levados por impulso, incapazes de controlar sua paixão. Mas, devido à sua ambição, não podem suportar ser menosprezados. Ficam indignados quando pensam que estão sendo injustiçados.

Eles são ambiciosos por honra, mas mais ainda por vitória. Essa juventude deseja superioridade, e vitória é uma espécie de superioridade. Seu desejo por ambos é maior do que o seu desejo por dinheiro.

Eles não são mal-humorados, mas têm índole simples, porque ainda não testemunharam muita depravação. Confiam, pois ainda não foram muitas vezes enganados. São cheios de esperança, pois a esperança está ligada ao futuro assim como a memória está ao passado. Agem de sangue quente como aqueles que estão embriagados com vinho. Além disso, ainda não experimentaram muitas falhas.“Os jovens de hoje só querem se dar bem.”

Para esses jovens, o futuro é longo e o passado é curto. Na manhã da vida, não é possível, para eles, lembrar de nada. Mas eles têm a esperança, o que os torna fácil de enganar. E eles são mais corajosos, pois estão cheios de paixão e esperança – a primeira os impede de temer, enquanto a última os inspira com confiança, pois ninguém teme quando tem paixão no que faz, e a esperança de obter alguma vantagem inspira confiança.

Eles são ricos de espírito, pois ainda não foram humilhados pela vida nem experimentaram a força da necessidade. Além disso, têm altivez, pois se julgam dignos de grandes coisas, um sentimento que pertence a alguém que está cheio de esperança.”

Ambiciosos, mas sem ligar muito para dinheiro. Querem muito algo, mas logo depois não querem mais tanto assim. Valorizam o passado, mas preferem o futuro. Soa familiar? Só que esses “millennials”, pobres coitados, não tiveram nem um seculozinho para atravessar e quebrar as metafóricas e numéricas barreiras do tempo (e, com isso, virar alvo de tão acalorados debates e análises). Imagine só, então, um luxo como pular de um milênio para outro.

Pelo visto, isso não é necessário. E nunca foi. Que o diga o autor das linhas acima, que viveu entre 384 e 322 a.C. e atendia pelo nome de Aristóteles.


Visto em: Conta Outra

segunda-feira, agosto 29, 2016

A juventude que não pode largar tudo para viajar o mundo ou vender brigadeiro

Texto de Yasmin Gomes

Eu acho lindas as histórias da "geração que encontrou o sucesso no pedido de demissão", mas elas podem gerar um sentimento de depressão muito maior do que de inspiração. Recentemente, um texto da Ruth Manus bombou nas redes sociais. Montes de likes e compartilhamentos para soltar um grito de desespero de quem está infeliz com o que vou chamar aqui de carreira convencional.
Logo no início do texto, a autora já se defende dos que dirão que é muito fácil pedir demissão e mudar totalmente de carreira & estilo de vida quando se tem dinheiro, seja de economia pessoal ou o famoso "paitrocínio". Ela logo parte para exemplos que não seguem essa linha, diz conhecer pessoas que "venderam o carro, dividem apartamento com mais 3 amigos, abriram mão dos luxos, não ligam de viver com dinheiro contadinho. O que eles não podiam mais aguentar era a infelicidade".
Ao ler esse trecho em voz alta para meus colegas de trabalho, quase tive cólicas de tanto rir. Só pode ser piada, né!? A média salarial em São Paulo é de R$2.300,00. No Brasil, até o final do ano passado, era pouco mais de R$1.000,00 reais. Em que realidade estão essas pessoas onde "viver com dinheiro contado" e "abrir mão de luxos" são sofrimentos opcionais em detrimento dos seus anseios profissionais?
Outra parte do artigo que tivemos que encarar com muito humor dava o lead de quem encontrou o sucesso pedindo demissão. Foram citadas pessoas que abriram mão de "carrão", do "cargo fantástico" e até de ser "executiva de grande grupo". O auge mesmo foi a citação da amiga advogada que jogou tudo para o alto e resolveu voltar a ser estudante e andar de metrô FORA DO PAÍS.
PUTA SOFRIMENTO! Alguém avisa que quase metade dos jovens brasileiros tem que trabalhar para pagar os estudos. Avisa que estágio paga pouco e esses jovens acabam ficando em empregos fora da área de graduação, se formam e ficam pra trás na hora de conseguir entrar no seu mercado. Ah! E, por incrível que pareça, tem até novinhos e novinhas que são arrimo de família!
Não vou nem comentar a suposta bad de ter que dividir apartamento, também citada pela autora, quando a maioria das pessoas que eu conheço não tem dinheiro nem para isso (eu, por exemplo, consegui comprar uma barraca há uns dois anos e parei por aí).
A realidade do Brasil não é de quem pede as contas e vai viajar o mundo. Não é de quem "joga tudo pro alto" e vai vender brigadeiro.
A gente vive num lugar em que a maioria das pessoas se permite ser explorada porque precisa ganhar nem que seja uma mixaria no fim do mês. O desespero é tanto que, se a gente não aceita condições deploráveis, alguém vai aceitar. Alguém bom e qualificado, aliás.
A melhor mensagem que o texto da Ruth Manus e tantos outros me passam é de que o sucesso não precisa necessariamente vir nos moldes de carreira executiva. Você pode ser uma pessoa realizada construindo uma bela família, plantando uma horta, fazendo voluntariado, tendo o seu próprio negócio de churros gourmet ou o que for.Existe felicidade e realização além do salto alto e da gravata, mas não tem glamour, purpurina ou post check-in pela Europa (sinta-se uma exceção, se tiver).
Para os jovens que vivem a realidade do nosso país, almoçando coxinha e botando na ponta do lápis cada centavo gasto com busão, o pedido de demissão tem que esperar. E se demorar, não tem problema. Temos a vida toda pela frente, temos uns aos outros, a gente se entende...
Você não é uma porcaria, um acomodado. Fica calmo, tá tudo certo.

Visto em: Brasil Post

quinta-feira, julho 28, 2016

Não são apenas músicas…#26

Keane - You Are Young



Fearfull child have faith in brighter days
Stay home till this darkness fades away
Lie still beside me
I'll hold you now I'll hold you forever

Winter's hand will freeze your heart again
Doors will close, no time to start again
Nothing is given except the ties that hold us together.

Lay down your load
'cause everyday it's gonna grow
And bask in the sunshine
Try to pay no mind, try to pay no mind at all
To all the things that you don't know

You've got time to realize
You're shielded by the hands of love
'Cause you are young

Fading light may make a fool of me
Courage fails, strengths slip away from me
Lie still beside me
And hold me now and hold me forever

Lay down your load
'Cause everyday it's gonna grow
These days are sacred
Hey now, don't be scared, baby, dont be scared at all
Of all the things that you don't know

You've got time to realize
You're shielded by the hands of love
'Cause you are young
You've got time you gotta try
To bring some good into this world
'Cause you are young, 'cause you are young

Ohh! ohh!
Ohh! ohh!
Ohh! ohh!
'Cause you are young

Vida de Solteiro

Texto de Rafael Magalhães

“E a namorada?” Alguém vai me perguntar. Aí vou sorrir e responder: “Estou solteiro!”. E logo depois vem aquela cara de: “nossa, coitadinho”, quando ao meu ver era a hora certa da pessoa me abraçar e pularmos gritando: “Parabéns Campeão!” Sabe, realmente não entendo essas pessoas que colocam o fato de encontrar uma pessoa como sendo um dos objetivos primordiais da vida. Como se a ordem natural fosse: nascer, crescer, conhecer alguém e morrer.

A meu ver, não é assim. As pessoas se dizem solteiras como quem diz que está com uma doença grave, alguém que precise de ajuda. Não é nada disso. Existe sim vida na “solteridão”! E das boas. E isso não quer dizer farra, putaria, poligamia ou promiscuidade. Aliás, quer dizer sim, mas só quando você tiver afim. No mais quer dizer liberdade, paz de espírito, intensidade. E olha que escrevo isso com algum conhecimento de causa, já que tenho vários anos de namoro no currículo.

De verdade, do fundo do coração, eu estou muito bem solteiro. Acho até que melhor que antes. Gosto de acordar pela manhã sem saber como vai terminar meu dia. Gosto da sensação do inesperado, da falta de rotina e de não ter que dar satisfação. Gosto de poder dizer sim quando meu amigo me liga na quinta-feira perguntando se quero viajar com ele na manhã seguinte. De chegar em casa com o Sol nascendo. De não chegar em casa as vezes. De conhecer gente nova todos os dias. De não ter que fazer nada por obrigação. De viver sem angústia, sem ciúme, sem desconfiança. De viver.

Acredito que todo mundo precisa passar por essa fase na vida. Intensamente inclusive. Sabe, entendo que talvez essa não seja sua praia. Ou talvez você nunca vá saber se é. Eu mesmo não sabia que era a minha, e veja só você, hoje sou surfista profissional. O que percebo são pessoas abraçando seus relacionamentos como quem segura uma bóia em um naufrágio. Como se aquela fosse sua última chance de sobrevivência. Eu não quero uma vida assim. Nessa hora talvez você queira me perguntar: “Mas e aí? Vai ficar solteirão para sempre? Vai ser assim até quando?” E eu vou te responder com a maior naturalidade do mundo: “Vai ser assim até quando eu quiser”.

Quando encontrar alguém que seja maior que tudo isso, ou talvez alguém que consiga me acompanhar. E não venha me dizer que aquele relacionamento meia boca seu é algo assim. O que eu espero é bem diferente. Quando se gosta da vida que leva, você não muda por qualquer coisa. Então para mim só faz sentido estar com alguém que me faça ainda mais feliz do que já sou, e como sei que isso é bem difícil, tenho certeza que o que chegar será bem especial. E se não vier também está tudo bem sabe? Eu realmente não acho que isso seja um objetivo de vida. Não farei como muitos que se deixam levar pela pressão dessa sociedade.

Tanta gente namorando pra dizer que namora, casando pra não se sentir encalhado, abdicando da felicidade por um status social. Aí depois vem a traição, vem o divórcio, a frustração e todo o resto tão comum por aí. Não, não. Me deixa quietinho aqui com minha vida espetacular. Pra ser totalmente sincero com você, a real é que não é sua situação conjugal que te faz feliz ou triste.

Conheço casais extremamente felizes e outros que estão há anos fingindo que dão certo. Conheço gente solteira que tem a vida que pedi para Deus e outros desesperados baixando aplicativos de paquera e acreditando que a(o) ex era o grande amor e que perdeu sua grande chance. Quanta bobagem.

A verdade é que só você mesmo pode preencher o seu vazio, e colocar essa missão nas mãos de outra pessoa e pedir pra ser infeliz. Conheço sim vários casais incríveis, assim como tantos outros que não enxergam que estão se matando pouco a pouco. Só peço que não deixem que o medo da solidão faça com que a tristeza pareça algo suportável. Viver sozinho no início pode parecer desesperador, mas de tanto nadar contra a maré, um dia você aprende a surfar. E te digo que quando esse dia chegar, você nunca mais vai se contentar em ficar na areia. Desse dia em diante só vai servir ter alguém ao seu lado se este estiver disposto a entrar na água com você.

domingo, maio 08, 2016

Mãe

Um dia, o Amor estendeu as mãos
para o nada e abriu o espaço...
Um dia, o Amor estendeu as mãos
para o homem e abriu-se o encontro...
Um dia, o Amor se tornou
vida de tua vida e eu existi...

Mãe, o céu sem confins revela-me teu amor...
A vastidão do mar fala-me da tua bondade...
As altas montanhas refletem teu heroísmo...
A profundeza dos vales espelha tua humildade...
A beleza das flores traduz teu caminho...

Tudo isso encerras dentro de teu grande coração...
E silenciosa, serena, sorrindo,
continuas labutando no cotidiano da vida.

Um dia, o Amor se tornou
vida de tua vida e eu existi.

Obrigado, Mãe!

domingo, maio 01, 2016

Lição de vida

À DESCOBERTA DO AMOR

À DESCOBERTA DO AMOR

Ensaia um sorriso
e oferece-o a quem não teve nenhum.
Agarra um raio de sol
e desprende-o onde houver noite.
Descobre uma nascente
e nela limpa quem vive na lama.
Toma uma lágrima
e pousa-a em quem nunca chorou.
Ganha coragem
e dá-a a quem não sabe lutar.
Inventa a vida
e conta-a a quem nada compreende.
Enche-te de esperança
e vive á sua luz.
Enriquece-te de bondade
e oferece-a a quem não sabe dar.
Vive com amor
e fá-lo conhecer ao Mundo.
(Mahatma Gandhi)

sábado, abril 30, 2016

O Mundo é uma Ilusão, afirmam os cientistas

Segundo a tradição Hindu, o mundo além de transitório é ilusório. Já para os budistas o mundo é um ‘sonho de Buda’, também sendo uma ilusão. E para a os cientistas?
Mais uma vez, cientistas estão dando suas opiniões e apresentando teorias que parecem se encaixar cada vez mais com pensamentos que muitas culturas do planeta carregam por milênios.
Em seu livro “Super Inteligência” ao ser perguntado sobre o que aconteceria se fosse criado uma máquina tão inteligente quanto ao humano, Nick responde: “É esperado que isso acontece, pois como espécie, sempre fomos os mais inteligentes, porém nunca imaginamos a possibilidade de viver com alguém ou alguma coisa mais inteligentes do que nós, possivelmente com metas que não possamos entender e agindo de maneiras que possam causar a nossa extinção”.
Nick Bostrom, filósofo da Universidade de Oxford, foi o primeiro a propor a teoria de que vivemos em um tipo de simulação, como que feita por um computador, a chamada‘Hipótese da Simulação’, sugerindo que a realidade que conhecemos e tudo aqui presente faz parte dessa simulação, e não estamos conscientes disso.
Richard J. Terrile, diretor do Centro de Computação Evolutiva da NASA, que participou do projeto da sonda Voyager, que descobriu várias luas de Saturno, Urano e Netuno, também sugere que estamos vivendo em um tipo de ‘Matrix’.
“Quando você vai ao cinema e assiste aos filmes por meio de simuladores de realidade virtual, por exemplo, acaba tentando se desvencilhar de objetos virtuais por achar que eles são reais. É isso que fazemos diariamente. E é um tipo de realidade completamente diferente que queremos oferecer no futuro”, diz Richard.
Na Mecânica Quântica, partículas não têm um estado definido a não ser que estão sendo observadas, explicou Richard.
Imaginemos uma televisão nova que você tenha comprado. Você sai de casa e pensa que ela está na sua sala, da maneira como deixou. Porém não pode ter certeza, muitas coisas podem ter acontecido com ela, ou de acordo com a nova teoria, talvez ela nem esteja lá, já que ninguém a vê.
O Princípio da Incerteza de Heisenberg, a qual declara ser impossível determinar com precisão e simultaneamente a velocidade e a posição de um elétron, enaltece um pouco mais sobre como isso funciona.
Seria mais ou menos assim a visão que temos do mundo, algo irreal que parece ser tão real.
Maya, como é chamado o mundo material na cultura hindu, é a ‘Grande Ilusão’. No Bhagavad Gita encontramos várias alusões ao mundo de ilusões. Hinduísmo, Budismo, Taoismo, entre outras tradições esotéricas do oriente, declaram que o mundo como o conhecemos através dos 5 sentidos é irreal.
Além do mundo material existem outros mundos, formas de vida, leis cósmicas a serem cumpridas, como quase todas as culturas antigas acreditavam. E o que a Ciência Moderna está dizendo agora para nós?Não parece que a ‘Ciência Oficial’ do mundo moderno está indo ao encontro com os ensinamentos dos antigos sábios? Provavelmente esses sábios sabiam muito além do que possamos imaginar.
Talvez seja a mesma mensagem porém de uma maneira diferente.
Se depois que morremos, segundo o que a ciência já propôs, não há morte e sim uma transformação para fora desse mundo, que agora é chamado de ‘Ilusório’, como chegamos até aqui? Quem controla esse ‘Jogo’?

Visto em: To no Cosmos

quinta-feira, abril 28, 2016

Não ter religião é a nova maior religião do mundo

Se você já ouviu a máxima “Pequenas Igrejas, Grandes Negócios”, com certeza não vai acreditar que igrejas estão fechando mundo afora. Mas isso acontece.
Não tanto aqui no Brasil, e mais em países como os Estados Unidos, o grupo de pessoas “sem religião” tem crescido substancialmente.
Os religiosamente não afiliados são o segundo maior grupo religioso na América do Norte e na maior parte da Europa. Nos Estados Unidos, compõem quase um quarto da população. Na última década, superaram católicos, protestantes e todos os seguidores de religiões não cristãs, por exemplo.

Por todos os cantos

Há muito tempo existem previsões de que a religião perderia relevância conforme o mundo se modernizava. Porém, todas as pesquisas recentes estão descobrindo que isso está acontecendo surpreendentemente rápido.
A França terá uma população de maioria secular em breve. O mesmo acontecerá com Holanda e Nova Zelândia. O Reino Unido e a Austrália em breve perderão suas maiorias cristãs. A China também possui uma população bastante secularizada.
A religião está se tornando menos importante do que jamais foi, mesmo para as pessoas que vivem em países onde a fé afeta de tudo, desde o voto a governantes a fronteiras e arquitetura.
Mas muita calma nessa hora: os sem religião não estão herdando a Terra ainda. Em muitas partes do mundo – na África subsaariana, em particular -, a religião está crescendo tão rápido que a participação dos “sem religião” na população mundial deve de fato diminuir em 25 anos.

Divisões

Dentro do grupo dos sem religião, as divisões são tão profundas como entre os religiosos. Alguns são ateus confessos. Outros são agnósticos. E muitos simplesmente não se importam o suficiente para indicar uma preferência religiosa (os famosos não praticantes?).
Apesar de unidos em torno do ceticismo em relação a organizações e por uma crença comum de que eles não acreditam, os sem religião são tão internamente complexos quanto outras religiões. E como acontece com elas, estas contradições internas poderiam manter novos seguidores longe.

Por que o mundo está ficando sem religião?

Existem algumas teorias sobre por que as pessoas tornam-se ateias em grandes números. Alguns demógrafos atribuem esse fato a segurança financeira, o que explicaria por que os países europeus com programas de segurança social mais fortes são mais seculares do que os Estados Unidos, onde a pobreza é mais comum e uma emergência médica pode levar à falência.
O ateísmo também está ligado à educação, medido pelo desempenho acadêmico (ateus em muitos lugares tendem a ter diploma universitário) ou conhecimento geral das crenças ao redor do mundo (daí teorias de que o acesso à internet estimula o ateísmo).
Há alguma evidência também de que as religiões oficiais dos países afastam totalmente as pessoas de fé, o que poderia ajudar a explicar porque os EUA é mais religioso do que a maioria das nações ocidentais que, tecnicamente, têm uma religião de Estado, mesmo que raramente observada.

Grupo homogêneo

O avanço científico não faz apenas as pessoas questionarem a Deus, mas também está conectando aqueles que questionam. É fácil encontrar grupos de discussão ateus e agnósticos online, mesmo se você vem de uma família ou comunidade religiosa. Tais grupos mostram que as pessoas que não acreditam não estão sozinhas.
Ainda assim, o grupo dos não crentes não é tão heterogêneo quanto dos religiosos. Na Europa e na América do Norte, os não afiliados tendem a ser vários anos mais jovens do que a média da população. 11% dos norte-americanos nascidos depois de 1970 foram criados em lares seculares. Além disso, a secularização ocidental é cheia de homens brancos. Nos EUA, 68% dos ateus são homens, e 78% são brancos.
Em todo o mundo, o Pew Research Center constata que as mulheres tendem a ser mais propensas a ter uma religião e a rezar. Isso muda quando elas têm mais oportunidades, no entanto. “As mulheres que estão na força de trabalho são mais como os homens na religiosidade”, disse Conrad Hackett, do Pew Research Center.
O fundador do grupo Black Skeptics Group Sikivu Hutchinson ressalta que “o número de jovens negros e latinos com acesso à ciência e educação matemática de qualidade ainda é extremamente baixo”, o que significa que eles têm menos oportunidades econômicas e menor exposição a uma visão de mundo que não requer a presença de Deus.

Tomando o globo

Apesar do grupo dos “sem religião” ter aumentado ao longo do tempo, o número correto de pessoas que não acreditam em Deus pode ser maior, porque elas ainda não assumem isso.
Mesmo brancos do sexo masculino e educados podem temer o estigma de ser rotulados como descrentes. Um dentista branco, por exemplo, não quis dar entrevista para a National Geographic por medo de que seus pacientes não gostassem que um ateu mexesse em seus dentes.
No entanto, parece inevitável que essa tendência não continue. Conforme os seculares de hoje crescem e têm seus próprios filhos, a única tradição de domingo que vai passar adiante parece ser a de acordar tarde.

Visto em: Hypescience

sexta-feira, abril 08, 2016

17 coisas que as pessoas emocionalmente fortes NÃO fazem

Uma vez que você acreditar que é emocionalmente forte, você inconscientemente atuará de maneira mais firme e assertiva e começará a assumir o controle sobre seus caprichos emocionais. – Senora Roy
A vida é composta por uma série de histórias, sendo que cada um de nós tem uma única história para contar. Existem bilhões e bilhões de histórias, mas nenhuma é exatamente igual. Se a história de sua vida teve mais momentos tristes do que os felizes, é hora de mudar isso. E o melhor lugar para começar essa mudança é dentro de sua cabeça.
Pode parecer mentira, mas você tem o poder de modificar diversas coisas em sua vida. Para isso, uma habilidade fundamental e que irá ajudá-lo a chegar lá é aprender a tornar-se emocionalmente forte. A boa notícia é que a força emocional é como um músculo: quanto mais você usá-la, mais forte ela se torna.
Neste artigo, você verá uma lista de 17 coisas que as pessoas emocionalmente fortes não fazem ou, pelo menos, evitam de fazer.

Pessoas emocionalmente fortes não imploram por atenção
Força emocional significa confiança, e as pessoas confiantes não precisam ser constantemente o centro das atenções. Eles estão confortáveis ​​em sua própria pele.
Lembre-se de que compartilhar coisas com pessoas queridas é algo bom, o ruim é implorar por atenção de pessoas que não querem estar com você.

Elas não permitem que outros as “derrubem” facilmente
Pessoas emocionalmente fortes ignoram os inimigos e os pessimistas. Eles extirpam essas pessoas e se cercam de pessoas positivas e com quem possam construir coisas. Ou seja, evitam os famosos “vampiros emocionais”.

Elas não deixam de acreditar em si mesmas
De alguma forma, eu não posso acreditar que existam alturas que não podem ser escaladas por um homem que conhece os segredos de fazer sonhos se tornarem realidade. Este segredo especial, parece-me, pode ser resumido em quatro “c”s. Eles são curiosidade, confiança, coragem e constância, e o maior de todos é a confiança. Quando você acredita em uma coisa, acredita nela por todo o caminho, implícita e inquestionavelmente. – Walt Disney
Banhe-se com estas palavras surpreendentes de Walt Disney. A crença é a qualidade mais importante de força emocional.

Elas não têm medo de amar
O amor é a força que transforma e melhora a Alma do Mundo. – Paulo Coelho
As pessoas que possuem força emocional, na maioria das vezes, já sofreram grandes desgostos. Isso as tornou mais fortes. Só por que você foi ferido, não significa que você deve deixar de amar em sua vida. Abra seu coração e reconheça sua vulnerabilidade.

Elas não têm medo de desacelerar
Às vezes você precisa dar um passo atrás para recuperar forças, analisar a situação e refletir sobre as próximas medidas a serem tomadas. Desacelerar, longe de ser um sinal de fraqueza, pode ser um grande sinal de força e inteligência. Permita-se um tempo de reflexão e relaxamento. Ao contrário do que pode parecer, nem todas as decisões têm que ser tomadas imediatamente.

Recusam-se a ser vítimas das circunstâncias
Ser emocionalmente forte significa que se recusam a dar desculpas. Reconhecem os erros do passado e tentam aprendem com eles. Porém, o mais importante é que deixam o passado para trás e se concentram em obter algo para melhorar a cada dia.

Eles não têm problema em dizer não
Dizer não é uma das coisas mais importantes que você tem de aprender a fazer. Concentre-se em suas prioridades e dizer não a todo o material que faz com que você perca seu tempo e energia vital. Quem realmente gosta de você, entenderá, mesmo que não seja no dia.

Elas não recusam desafios
Pessoas emocionalmente fortes veem os desafios como oportunidades para crescer e melhorar a sua vida. Desafios acontecem por uma razão. E quando os transpomos, percebemos nossa real força e capacidade interna.

Elas não fazem as coisas que eles não querem fazer
Se você quiser manter o seu equilíbrio emocional e sanidade intacta, faça o que você ama. Livre-se da bagagem e compromissos que estão fazendo você infeliz ou reduza essa carga ao mínimo possível. Se não consegue se livrar de algo agora, tenha planos para mudar, mas nunca se acomode com a infelicidade.

Elas não se esquecem de que a felicidade também envolve uma decisão
Pessoas emocionalmente fortes sabem que a felicidade envolve escolhas. Elas entendem e respeitam as coisas que realmente precisam para serem mais felizes. Elas escolhem uma vida de simplicidade, produtividade e paixão.

Elas não perdem tempo
Abraham Lincoln disse:
"Não são os anos em sua vida que contam. É a vida em seus anos."
As pessoas emocionalmente fortes não perdem tempo fazendo coisas onde não acham sentido. Elas vivem conscientemente no presente e tentam aproveitar a vida no seu hoje.

Elas não têm medo de pedir ajuda
Cada uma das grandes mentes da história, desde Einstein até Edison, tiveram ajuda ao longo do caminho. Pessoas emocionalmente fortes não são orgulhosas e reconhecem o valor da ajuda e da colaboração mútua.

Elas não se colocam “para baixo”
Autopiedade é um traço comum entre as pessoas emocionalmente frágeis. Pessoas frágeis têm uma lista de desculpas para justificar suas inadequações em vez de encontrar maneiras de melhorá-las. Se você quer mudar alguma coisa, pare de se prender ao que não tem, às suas fraquezas ou ao seu passado. Apenas comece. Pequenas vitórias levam a grandes mudanças.

Elas não me importam em trabalhar um pouco mais “duro” do que os outros
As alturas alcançadas e mantidas pelos grandes homens não foram encontradas de maneira súbita. Enquanto seus companheiros dormiam, os grandes homens estavam labutando no meio da noite. – Henry Wadsworth Longfellow
Mergulhe nestas palavras poéticas de Longfellow. Entenda o que quer e coloque-se para trabalhar. Planeje-se, tenha metas realistas e você obterá os resultados que você está procurando.

Elas não reagem de forma exagerada quando as coisas saem de seu controle
Charles Swindoll disse:
“A vida é 10% o que acontece comigo e 90% de como eu reajo a isso.”
Pense em quantas vezes por dia você exagera em reações com coisas que nem são tão importantes. Quando você começar a sentir o seu sangue ferver, respire fundo e pergunte a si mesmo: “Isso realmente vale o meu nervosismo?” Noventa e nove por cento do tempo, você vai perceber que a resposta é não.

Elas não se contentam com uma vida medíocre
Pessoas emocionalmente fortes não se contentam com a mediocridade. Eles se esforçam para alcançar a grandeza.

Elas nunca, jamais desistem
Ser emocionalmente forte significa encarar as adversidades de frente, aprender com seus erros, e viver para lutar no outro dia. Vou deixá-lo com esta citação inspiradora de Harriet Beecher Stowe:
Quando você chegar em um lugar apertado e tudo for contra você, mesmo quando parecer que você não pode aguentar nem mais um minuto, nunca desista. Então, essa será a hora e o lugar em que a maré vai virar.

quinta-feira, março 31, 2016

Não são apenas músicas…#25

Audioslave - Be Yourself

60 Lições para aprender até os 30 anos

Para quem já chegou ou está perto dos 30 anos, algumas coisas que se aprendem com a vida:

1. Ame seus pais. Prove isso todos os dias.
2. Cada escolha, uma renúncia. (Keep walking)
3. Não reclame de boca cheia. Sempre tem alguém na pior que você.
4. Todos devem tomar ao menos três porres na vida.
5. A vida não é colorida, ela é colorível.
6. Nunca abaixe a cabeça pra ninguém, nem levante o nariz alto demais. Olho no olho já é suficiente.
7. As pessoas que falam dos outros pra você vão falar de você para os outros.
8. Não acredite em tudo que falam. Uma palavra proferida é uma arma branca.
9. A vida real é melhor que a virtual. Há 10 anos vivíamos bem sem celular.
10. O melhor orador é o melhor ouvinte.
11. Todo mundo caga, desde o rei ao plebeu.
12. Admitir seus erros é o primeiro passo da humildade.
13. Comer besteiras te deixa mais feliz.
14. Nunca seja omisso! Melhor um “não” do que falta de compromisso com alguém.
15. Tenha seus melhores amigos sempre por perto, mas saiba curtir seus momentos sozinho.
16. Tente nem sempre estar certo – prefira estar feliz.
17. Não se sabe o dia de amanhã. Deixe um recado para sua família e amigos num lugar onde todos se lembrarão de você.
18. Diploma é algo muito bom, mas não garante nenhum sucesso financeiro.
19. Faça loucuras, permita-se ser um louco com princípios.
20. Você pode ir a Las Vegas e a um boteco na vila sendo a mesma pessoa. O dinheiro não te faz diferente.
21. Resiliência é a palavra. As maiores lições de vida só são aprendidas da maneira mais difícil. Do chão não passa!
22. Ser autêntico é a única e melhor forma de agradar.
23. Dirigir cantando alto é um santo remédio.
24. Evite marcar um voo às 6h da manhã.
25. Quem não cola, não sai da escola.
26. É bom questionar tudo. Ter mais perguntas do que respostas significa que você está sendo honesto consigo.
27. As maiores coisas da vida ainda são encontradas de graça. Basta contemplar e olhar.
28. Você é capaz de lidar com situações que achava que não podia.
29. Ria de você mesmo. Quando os outros fizerem, já saberá como ganhar uma situação.
30. A vingança nunca é plena, mata a alma e a envenena.
31. A maioria das coisas que você vê é apenas o que você acha que sabe o que vê.
32. Elogie as pessoas! Com certeza, vai fazer a diferença no dia desse alguém.
33. Não existe comida ruim, existe comida sem tempero.
34. Doar é um ato de permissão e aprendizado.
35. Cumprimente qualquer pessoa, independente de sua classe. “O melhor indicador do caráter de alguém é como ela trata as pessoas que não podem lhe trazer benefício algum.”
36. Quando for visitar alguém e ficar em sua casa, deixe um presente. Se pegar carona, ofereça dinheiro para o pedágio. É questão de bom senso.
37. Dinheiro não traz felicidade, mas te proporciona momentos inimagináveis. Às vezes, é preciso dinheiro para vivenciar momentos com amigos e família em ocasiões especiais. Portanto, trabalhe!
38. “Não brinque com os outros, o mundo gira. Hoje você brinca, amanhã é brinquedo.” (Caio Fernando Abreu)
39. Aprenda que preço e valor são coisas muito diferentes. Nascemos de bolso vazio e caráter zerado. Podemos acumular riquezas financeiras e viver os melhores momentos da vida, mas dela não levamos nada.
40. Você pode se acalmar a qualquer instante quando tem o mar e o céu na sua frente. Tenha um refúgio.
41. Hay que ser duro pero sin jamas perder la ternura.
42. Não confunda vaidade com narcisismo.
43. Uma roupa não justifica o status de alguém. Muitas vezes a embalagem não condiz com o conteúdo.
44. Einstein era mais esperto que inteligente. E ele era um gênio!
45. Merdas acontecem. Reclamar é verbo, solucionar é uma arte.
46. Cada pessoa tem um conceito sobre tudo. Saiba respeitar essa diferença.
47. Mais valem duas horas de risco que um dia de sonhos.
48. Atitudes valem mais que palavras. “Para saber quem somos, basta que se observe o que fizemos da nossa vida. Os fatos revelam tudo, as atitudes confirmam. O que você diz – com todo respeito – é apenas o que você diz”. (Martha Medeiros)
49. O tempo é o mesmo para todos. Saber agradecer ao invés de pedir para os céus é saber respeitar o tempo. 1% representa menos de 15 minutos do seu dia ou 3 dias de seu ano. Todos têm tempo para fazer algo.
50. Se vidente previsse certo, ele estaria rico e não daria conselhos. A sorte só favorece aos audazes.
51. Sem saber que é impossível qualquer um pode ir lá e fazer. Crie com o mesmo ímpeto de uma criança.
52. O veneno só faz mal se você engole.
53. Não jogue lixo na rua.
54. Colecione sorrisos e abraços.
55. O amor próprio é o maior de todos.
56. Cão que ladra demais não morde.
57. O lado legal da mudança é que ela pode ser feita a qualquer momento da vida. Não existem regras nem limites.
58. Os grandes vencedores já perderam um dia. “Com o tempo você aprende a cair com classe e levantar com orgulho.” (Tati Bernardi)
59. Obedeça a sua intuição. Se você escutou seu coração antes de fazer o primeiro movimento, você escolheu o caminho certo! E quem aceita e respeita sua intuição, sabe que fez a melhor escolha!
60. O caminho não dura para sempre. É uma bênção percorrê-lo durante algum tempo, mas um dia ele irá terminar, portanto esteja sempre pronto para despedir-se a qualquer momento. Honre seu caminho. Foi sua escolha, sua decisão, e na medida em que você respeita o chão onde pisa também este chão passa a respeitar seus pés. Faça sempre o que for melhor para conservar e manter seu caminho, e ele fará o mesmo por você.

Dormir (e acordar) tarde não tem problema nenhum, diz a ciência

Já ouviu falar em cronobiologia? É o estudo da relação entre o tempo e do funcionamento biológico da natureza – e entre tantos temas que explora, está o relógio biológico interno, que cada pessoa possui individualmente. Por mais que nossa sociedade esteja condicionada a encarar o período noturno (entre 11 da noite e 7 da manhã) como momento de descanso, cerca de 40% da população mundial não se identifica naturalmente com esse padrão de comportamento.
Ser mais "diurno" ou "noturno" (ou seja, seu cronotipo) é algo que está no DNA e é muito, muito difícil de mudar. A ponto de descobrirmos, atualmente, que tentar interferir nisso pode interferir na sua saúde. Mas mais do que isso, as pessoas que dormem tarde (e, por consequência, acordam mais tarde também) costumam sofrer preconceito da sociedade, sendo considerados preguiçosos ou desmotivados, mesmo não tendo controle sobre esse comportamento.
Para Camilla Kring, fundadora da B-Society, uma sociedade que advoga pelo trabalho à tarde, nosso mundo não tem mais desculpas para exigir horários tão fixos de trabalho ou estudo. Em entrevista ao Vox, Kring explica: "em um mundo que a conexão de internet permite que trabalhemos em qualquer lugar e horário, as companhias deveriam permitir que seus funcionários tenham horários mais flexíveis e focados em seu horário ideal de sono". Para Kring, o modelo atual favorece pessoas com um relógio biológico matutino, que podem encarar uma reunião de manhã sem sofrimento. "Ao mudar seu horário em uma ou duas horas, você pode ter mais horas de sono e mais produtividade".
O raciocínio é simples: em teoria, pelo menos, deveríamos trabalhar em horários que nos sentimos mais despertos, ágeis e produtivos. Um apanhado de 2012, que resume uma série de artigos sobre sono e relógio biológico, chega à conclusão de que nossa sociedade está condicionada a enxergar pessoas com preferência por dormir e acordar tarde de forma negativa, sem base científica suficiente para endossar esse comportamento. Cabe à ciência
fazer mais estudos sérios sobre o assunto e investigar novas formas de favorecer diferentes cronotipos.

Visto em: Galileu

sexta-feira, março 25, 2016

Mulheres no mercado financeiro tomam decisões melhores

É raro ver mulheres em cargos de chefia. Como a gente viu aqui só 4% dos CEOs são do sexo feminino e apenas 8% dos diretores são mulheres. No mercado financeiro a ala masculina predomina ainda mais – basta ver quantas analistas do sexo feminino aparecem como fontes em jornais e revistas. É aí que mora o erro. São delas as melhores decisões quando o assunto envolve ações – elas tomam decisões mais racionais e evitam desastres financeiros.
A culpa disso é biológica. Excesso de testosterona instiga seu lado irracional. E é esse hormônio que leva homens a fecharem negócios mais agressivos, alguns fadados ao fracasso.
Já as mulheres, graças aos níveis mais altos de estrógeno e progesterona, costumam considerar melhor as perdas e manter os resultados mais estáveis – sem ganhos exorbitantes, mas sem grandes desastres financeiros.
É o que mostra um estudo liderado por Daniel Ladley, especialista em finanças da Universidade de Leicester, na Inglaterra. Ele e sua equipe criaram um modelo matemático de computador para avaliar os resultados do mundo financeiro em decisões tomadas com excesso de hormônios masculinos ou femininos.
E concluíram: muita testosterona gera resultados mais extremos, para o bem e para o mal. Predominância de hormônios femininos termina em negociações mais seguras. No fim das contas, as decisões femininas chegaram a resultados melhores – os ganhos conquistados por eles não compensaram as perdas da ousadia masculina.
Ou seja, o segredo mesmo é o equilíbrio. Mesclar um time com homens e mulheres, com a medida certa de ousadia e precaução, pode proteger empresas contra decisões suicidas e desastres financeiros.

Visto em: Ciência Maluca

terça-feira, março 08, 2016

Pessoas feministas são mais felizes no amor


Toma essa, Christian Grey.
Psicólogos da Universidade Rutgers, nos Estados Unidos, conversaram com mais de 500 pessoas (homens e mulheres) para descobrir a relação entre feminismo e felicidade no amor.Entre eles, 242 ainda faziam faculdade, enquanto outros 289 eram um pouco mais velhos – média de 26 anos –, e namoravam há mais de 4 anos. Os pesquisadores perguntaram a eles se simpatizavam com algumas ideias feministas, aprovavam mulheres que se dedicam à carreira e se o atual parceiro era machista ou não. Também contaram sobre a qualidade e estabilidade do namoro esatisfação sexual.
E os feministas levaram a melhor em vários pontos. A vida sexual deles era muito mais saudável: eles se diziam mais felizes comsexo do que os casais com um pézinho no machismo. Além disso, osrelacionamentos se mostravam muito mais estáveis. E isso valia para homens e mulheres feministas. De forma geral, pessoas favoráveis à igualdade entre os gêneros constroem namoros mais felizes do que os casais machistas.
Os pesquisadores ainda não descobriram por que o feminismo pode melhorar os relacionamentos. Mas desconfiam de alguns motivos. Por exemplo, homens feministas apoiam e entendem melhor suas namoradas. E quando se juntam a mulheres também feministas se livram da pressão de bancar todas as despesas do casal. Bem melhor assim.

Visto em: Ciência Maluca

segunda-feira, fevereiro 29, 2016

O Brasil vai mesmo virar um país de intolerantes?

Sempre que discussões como o feminismo, os direitos das mulheres ou a violência contra minorias vêm à tona, um grupo de pessoas (com muitas características em comum) é insistente em bradar que não pode ser enquadrado na mesma categoria por não ser estuprador, violento, pedófilo ou homofóbico.
A questão é sempre a mesma: "temos que pagar o pato pelos erros dos outros?". E aqui vai uma notícia para você: sim, você tem que pagar o pato. Nós temos que pagar o pato. E sabe por quê?
Porque essas pessoas que sofrem a violência e a desigualdade diariamente vêm pagando o pato há muito tempo. E agora é hora de acertar as contas.
Quando eu era mais novo, insistia em dizer que não existia dívida histórica porque eu não escravizei ninguém.
O que eu falhava em perceber é que uma sociedade completamente dividida em que negros não usufruem dos mesmos direitos dos brancos, são olhados com desconfiança em um País de mestiços e são tratados, muitas vezes, como cidadãos de segunda classe (se é que são tratados como cidadãos), há sim uma dívida histórica e essa conta ficou para todos nós.
E os juros continuam subindo e destruindo qualquer esperança de uma sociedade justa.
E aí é que entra a conivência geral, mesmo quando você não é o indivíduo ameaçando ou abusando.
O brasileiro adora se orgulhar de levar a vida com leveza e bom humor. Adora rir de tudo e dizer que é especial porque faz piada mesmo com as mazelas da vida.
E assim explica-se boa parte do problema: tudo é engraçado, tudo vira humor, nada é levado a sério.
Boa parte dos brasileiros prefere compartilhar a zuêra para ganhar curtidas no Facebook, se perde nas tirinhas infames, nas montagens ridículas, na boçalidade diária de não levar nada a sério. Esquece da filosofia, da história, do contexto, para divulgar uma idiotice ofensiva -- seja política ou social.
O que importa é ganhar um "hahaha" ou um "rsrs", não é discutir, debater ou desenvolver uma sociedade melhor. Até que ponto vale realmente a pena ridicularizar absolutamente tudo em vez de criar discussões válidas e embasadas?
A primeira herança da ditadura militar já sabemos bem: as instituições públicas absolutamente sucateadas (ou você acha que a educação pública, a segurança das grandes cidades e o sistema de saúde se tornaram todos tão caóticos durante os anos 60, 70 e 80 por coincidência?).
A outra herança é uma geração de desinformados que, com o acesso às novas mídias sociais e a falta de noção da importância de se apurarem os fatos (para isso existe, em teoria, o jornalismo), grita seus preconceitos, indignações seletivas e revoltas preguiçosas aos quatro ventos, sem nem se preocupar em entender definições.
Às vezes sabem que a notícia é falsa, mas não importa. Fora o humor canalha, a ridicularizarão do outro, que vale mais do que uma discussão saudável. Os adjetivos preconceituosos, a piadinha elitista para sugerir que os pobres são todos bandidos e/ou ignorantes, está tudo lá, substituindo o argumento.
Junto com parte dessa geração (a parcela que se revolta mas não se informa), os filhos mimados e igualmente preguiçosos, ex-alunos medíocres, que perderam a oportunidade de criar um senso crítico -- qualquer que seja a ideologia.
Junto com seus erros gramaticais, repetem as falácias cansadas, vazias e superficiais e se orgulham de dizer que são contra o governo (qualquer que seja), o feminismo, a igualdade de gêneros, os direitos homossexuais, a proteção ao meio ambiente, a diminuição da quantidade de carros nas ruas, porque "nada disso é importante".
Pedem disciplina, cadeias, punição, gasolina barata, reduzem tudo a dois lados e não percebem a ignorância do mundinho em que estão inseridos: um pensamento erradicado em boa parte do mundo há décadas mas que persiste naqueles que não se esforçam para considerar algo diferente daquilo que acham que produziram com o próprio cérebro.
Já sabemos que grande parte dos comentários altamente intolerantes vem da lavagem cerebral promovida pelos oportunistas falsamente religiosos, mas existem os outros intolerantes que acham que têm o direito de fiscalizar a vida alheia, seja em suas relações amorosas, em sua decisão sobre o corpo ou em sua luta pela igualdade onde quer que seja.
São os tipos patéticos que reclamam da falta de humor alheio, que acham que "tudo virou fobia" e que confundem a liberdade de expressão com a mediocridade de suas palavras. Que acham que só aquilo que conhece importa e danem-se os outros porque são uma parcela menor da população.
Que acham que lutar por direitos é garantir privilégios enquanto os verdadeiros privilégios são os de não ter que lutar por nada.
São aqueles que comentam uma 'piadinha' ou um comentário 'revoltado' sobre um ex-presidente no vídeo de um cachorro fazendo algo engraçado.
São os obcecados que não deixam ninguém em paz porque precisam descontar as próprias frustrações em qualquer culpado que vá gerar curtidas no comentário.
São aqueles que reduzem o mundo a dois lados, a direita e a esquerda, sem perceber a complexidade do pensamento crítico e sem lembrar que aquela cagada histórica chamada Muro de Berlim caiu faz muito tempo.
E toda essa violência verbal (e às vezes física mesmo) que clama por morte (do bandido pobre ou do político), por punição, pelo fim da defesa dos direitos humanos, que acha que a disciplina pura vai resolver o problema, só demonstra a falta de vivência, de experiência e de diálogo.
Quem vai atrás do "bandido bom é bandido morto" ou do "leva pra casa" claramente nunca se preocupou em conversar com quem dá aula na favela.
Quem fala "feminazismo" nunca parou pra pensar em quão tosca e desrespeitosa é essa comparação (inclusive com os próprios judeus).
Quem acha graça em piada com mulher sendo violentada não pensa na mãe, na namorada ou na irmã vivendo essa situação.
O Brasil caminha, ou corre, em direção ao extremismo, à intolerância, ao radicalismo. Os mesmos que vimos destruir países do Oriente Médio, que às vezes nem parecem tão distantes do gigante latino.
E se o País não fizer meia volta e começar a usar a empatia como combustível, o destino final pode ser terrível.

Visto em: Brasil Post

Crianças sem religião são mais generosas, diz estudo

Doutrinas religiosas induzem os fiéis a tratar os outros com compaixão e colocar o bem de todos antes de interesses próprios. Mas quando se trata de generosidade as crianças não-religiosas parecem ser mais inclinadas a fazer atos generosos, de acordo com um novo estudo realizado com 1170 crianças de todo o mundo. Crianças de lares religiosos — particularmente muçulmanos — também mostram uma maior inclinação para julgar ações de alguém como errado e punir os autores. O estudo, o primeiro a fazer uma análise em larga escala deste tipo, sugere que religião e comportamento moral não necessariamente caminham lado a lado nas crianças.
“Nossos resultados reforçam a noção de que a secularização do discurso moral não reduz a bondade humana. Na verdade, ela faz exatamente o oposto”, diz Jean Decety, um neurocientista do desenvolvimento na Universidade de Chicago, em Illinois, e o principal autor do estudo.
Pesquisas anteriores já puseram em dúvida o estereótipo comum que as pessoas religiosas são mais morais do que seus irmãos não religiosos. Nas pesquisas, pessoas religiosas relataram maiores níveis de ações de caridade, mas não está claro se esta informação éprecisa ou exagerada. Também não está claro se o espírito altruísta está confinado a outros membros de sua religião. Em testes reais de generosidade, há também resultados mistos. Um estudo constatou que as pessoas religiosas e não-religiosas compartilharam mais dinheiro com um estranho depois de ler frases contendo palavras religiosas, como “espírito” ou “Deus”. Mas as pessoas também foram mais generosas depois de ler palavras associadas com as autoridades seculares como “polícia”. Outro estudo descobriu quepessoas religiosas são tão prováveis quanto as menos religiosas de ignorar um estranho em dificuldades.
A nova pesquisa, feita com crianças de seis países (Canadá, China, Jordânia, Turquia, África do Sul e Estados Unidos), inclui 510 muçulmanos, 280 cristãos e 323 crianças sem religião. O estudo foi o primeiro a dar este olhar em larga escala na forma como a religião e comportamento moral se relacionam em crianças de todo o mundo, com foco em uma faceta do comportamento moral: o altruísmo ou a vontade de dar a alguém um benefício que vem também com um custo pessoal.
O teste envolveu a moeda de troca da infância: adesivos. Eles participaram de uma “tarefa de alocação de recursos”, conhecido como o Jogo do Ditador. Crianças com idades entre 5 e 12 anos se reuniam individualmente com os adultos que lhes permitiam escolher 10 de seus carrinhos favoritos. As crianças eram, então, informadas que os adultos não tinham o suficiente para distribuir o resto de seus adesivos para outras crianças em uma outra classe fictícia. Mas cada criança falou que elas poderiam colocar alguns das seus 10 adesivos em um envelope para ser compartilhadas com outras crianças, que foram descritas como sendo da mesma escola e grupo étnico. Os cientistas usaram o número de adesivos restantes no envelope como medida de altruísmo.

As crianças de famílias não religiosas deixaram uma média de 4,1 adesivos, uma diferença estatisticamente significativa de crianças cristãs (3,3) e de muçulmanas (3,2). Além disso, com base em uma pesquisa com os pais, também descobriram que o grau de religiosidade, bem como o período de tempo em uma comunidade religioso, está associado com menos altruísmo. A idade da criança, a situação socioeconômica e o país de origem também tiveram influência, mas não o suficiente para anular o efeito das diferenças religiosas, de acordo com o estudo. Em crianças mais velhas, a disparidade foi mais nítida, com a juventude religiosa cada vez com menos tendências em compartilhar.
As crianças no estudo também assistiram a vídeos curtos em que uma criança faz algo ruim para outra, como empurrões. As crianças então classificavam quão grave elas pensavam que o incidente era, e quão severamente eles queriam o instigador punido. Crianças não religiosas tendiam a classificar os incidentes como menos significativo. Crianças muçulmanas, em média, deram a mais alta classificação e procuraram punições mais severas do que qualquer uma dada pelas cristãs ou pelas seculares. Decety diz que ele não tem certeza do porque este é o caso.
Decety, cujo trabalho tem como foco o surgimento da moralidade em crianças, diz que o padrão das crianças religiosas como sendo menos generosas pode estar ligado a um fenômeno chamado “licenciamento moral”. Isso é quando uma pessoa se sente permitida, mesmo que inconscientemente, a fazer algo errado porque eles se veem como uma pessoa moralmente correta.
Com tantas crianças de diferentes culturas, o novo estudo oferece introspecções vitais, disse Benjamin Beit-Hallahmi, um psicólogo da Universidade de Haifa em Israel e um especialista em psicologia da religião. Ele suspeita que os resultados estão ligados a importância que muitas religiões colocam em uma autoridade externa e as ameaças de castigo divino. Considerando que as crianças de famílias religiosas aprendem a agir em obediência a um poder superior vigilante, crianças criadas em lares seculares poderiam ser ensinadas a seguir regras morais apenas porque é “a coisa certa a fazer”, diz ele. Então, “quando ninguém está olhando, as crianças de famílias não-religiosas se comportam melhor”.
O estudo já está instigando coçar a cabeça sobre como ele se enquadra com estudos semelhantes de adultos. Azim Shariff, um psicólogo da Universidade de Oregon, em Eugene, diz que contrasta com a sua análise que, tomados como um todo, pesquisas anteriores não encontraram nenhum efeito global da religião em adultos confrontados com este tipo de testes morais.
“Ele não se encaixa facilmente com o que está lá fora tão longe. Então, eu tenho que fazer algumas reflexões — as outras pessoas têm que pensar um pouco — com a forma como ele se encaixa”, diz Shariff, que elogiou a escala e profundidade do estudo. Ele sugeriu que as novas descobertas poderiam refletir um estágio de desenvolvimento para as crianças, produzindo resultados diferentes do que em adultos. Ele também observou que tais testes controlados podem não capturar completamente como as pessoas se comportam na vida diária.
Decety expandiu sua pesquisa para examinar os efeitos da religião no comportamento das crianças em 14 países, e também está explorando se a religião influencia em como as crianças decidem distribuir bens entre pessoas diferentes em um grupo. “Meu palpite é que eu vou encontrar o mesmo resultado que obtive neste estudo”, diz ele.

Visto em: Universo Racionalista

LSD deixa você otimista

Uma dose de LSD pode melhorar sua sensação de bem-estar e abrir sua cabeça por até duas semanas. Mas também traz consequências negativas: desperta alguns sintomas parecidos com os de psicose.
É o que diz uma pesquisa britânica feita com 20 voluntários. Todos eles tomaram uma dose intravenosa de 75 microgramas de LSD e passaram por vários testes ao longo de duas semanas. Todos eles se mostravam bem mais otimistas e abertos a novas opiniões após a ingestão da droga – e a mudança persistiu mesmo depois que o efeito do ácido passou. Em compensação, apresentaram alguns sinais bem conhecidos da droga, como alucinações e confusões de pensamento.
Outra turma de 20 voluntários passou por uma experiência parecida. Mas, ao invés de tomarem LSD, receberam uma dose placebo da droga. Entre eles, nada mudou nas duas semanas seguintes.
O mistério por trás da felicidade do alucinógeno é que, sob efeito dele, a mente involuntariamente trilha caminhos diferentes. E você acaba mais propício a aceitar opiniões diferentes da sua.

Visto em: Ciência Maluca

Não são apenas músicas…#24

Zé Ramalho - Avôhai


"Rebuscando a consciência
Com medo de viajar
Até o meio da cabeça do cometa
Girando na carrapeta
No jogo de improvisar
Entrecortando
Eu sigo dentro a linha reta
Eu tenho a palavra certa
Pra doutor não reclama"

domingo, janeiro 17, 2016

GAROTAS, ACORDEM!

Nós, homens, não nos importamos se você falar com outro cara. Não nos importamos se vocês são amigas de outros caras. Mas quando vocês estão sentadas com a gente e um cara qualquer aparece e você sai correndo e pula em cima dele, sem nem ao menos nos apresentar, é, é bastante irritante. E não ajuda se você chamar ele pra sentar com a gente e ficar conversando dez minutos com ele sem nem se dar conta do fato de que ainda estamos ali.
Não nos importamos se um cara te telefona, ou te manda uma mensagem, mas se isso acontece às 2 da manhã, nós nos incomodamos um pouco sim. Nada de tão importante costuma acontecer às 2 da madrugada que não possa esperar até o amanhecer. Além disso, quando te dissermos que você é bonita/linda/estonteante/maravilhosa, nós estamos falando a verdade. Não diga que estamos errados.
Uma hora vamos parar de tentar te convencer. A coisa mais sexy numa garota é confiança. Mas ter confiança não significa ser convencida. Não se irritem quando abrirmos uma porta para você. Aproveitem e abusem do meu humor. Nos deixem pagar as coisas pra vocês! Não se ‘sintam mal’, nós gostamos de fazer isso.
Não é mais que o esperado. Sorriam e digam ‘obrigada’. Nos beijem quando não há ninguém olhando. Mas, se vocês nos beijarem quando sabem que alguém está olhando, ficaremos impressionados. Vocês não precisam se arrumar para nós. Pra começar, se formos sair com vocês, vocês não precisam sentir a necessidade de colocar a sua saia mais bonita ou passar todos os tipos de maquiagem que vocês têm.
Gostamos de você por quem você é, e não pelo que vocês têm. Sinceramente, eu acho que uma garota fica mais bonita de pijama ou com uma camiseta minha e um shortinho qualquer do que toda embelezada. Não levem tudo o que dissermos a sério. Piadas e brincadeiras são coisas lindas. Tentem enxergar a beleza delas.
Não se irritem tão facilmente. Não fiquem falando sobre como o Chris Brown, o Brad Pitt ou o Taylor Lautner são lindos. É tedioso, e nós não nos importamos. Você tem amigas pra isso. E meninas, isso é o mais importante: se um cara não está te tratando bem, não espere que ele mude! Dispensa essa vergonha para a população masculina da Terra, e ache alguém que te trate com respeito. Alguém que honre seu código moral.
Alguém que te faça sorrir mesmo no seu pior momento. Alguém goste de você mesmo quando você erra. Alguém que pare o que está fazendo só pra te olhar nos olhos e sorrir. Dêem uma chance pros caras legais. Homens, copiem e colem essa mensagem se concordarem. Mulheres, copiem e colem se acharem ela bonita.
Qualquer homem que não for um babaca vai concordar com isso, e espero que todas as garotas postem isso nos seus murais. A vida é curta demais pra ficar reclamando de tudo que aparece no seu caminho, então pare e cheire as flores da vida, porque você pode nunca mais ter essa oportunidade. Pare e aproveite, porque cada uma é diferente à sua própria maneira. Corra riscos, porque se não der tudo certo, sempre haverão mais flores para se cheirar.

Visto em: Sábias Palavras

Viaje! O que você viver ninguém poderá roubar

Nunca imaginei que um homem inteligente como Aurélio (aquele do dicionário!) pudesse ser tão pouco criativo. Segundo ele, viajar é “percorrer em viagem; viajar terras: andar por muitas terras; fazer viagens; andar em viagens”. Ora essa, onde já se viu tanta pobreza de definição? Se eu pudesse definir o verbo viajar, dedicaria a ele um pergaminho inteiro. Um daqueles enormes, que se desenrolam por metros e metros como tapete de letras cursivas e saudosas. Dedicaria a este único verbo a gratidão e o amor, a alegria e o encantamento.
As estranhas palavras que dançam nas línguas dos gringos em fonemas curiosos são, por si sós, uma bela lição. É como ser bebê novamente e passar pela provação de tentar repeti-las e compreendê-las. As diferentes línguas e suas entonações podem contar as principais características daquele povo: a severidade do alemão, a sofisticação do francês, a musicalidade do árabe, a malemolência do italiano, a assertividade do japonês, o pragmatismo do inglês… Um bom leitor de mundo é capaz de decifrar os enigmas de um povo pela forma como ele se comunica!
Quem são essas pessoas que aprenderam a esconder suas almas coloridas sob burcas pretas? Quem são os andarilhos que abriram mão de seus lares em troca da liberdade de caminhar eternamente? Que homem é esse que vive apressado nos cafés, a contar os minutos em seu relógio caro que lhe suga toda a paz? Quem são todas essas pessoas com as quais dividimos o mesmo planeta, mas cuja existência teimamos em ignorar? Olhar para o outro com empatia e curiosidade é um terreno fértil para a compreensão de que a vida não gira apenas em torno de você . É a chance de analisar a si mesmo pelos olhos do mundo e entender a imensidão humilde das almas que perambulam em vidas tão diferentes.
Viajar pode mudar uma vida por completo, de ponta-cabeça. Conhecer outros lugares é um exercício de humildade, tolerância e reverência. Há alguns cantos que parecem ter sido esculpidos por Deus ,especialmente para aquele seu minuto de reflexão, em que tudo parece congelar enquanto você desvenda o mistério da vida ou o segredo da felicidade. É a chance de perceber que existe um incrível universo além-umbigo e que o mundo é tão vasto quanto miúdo, pois somos tanto diferentes em hábitos e traços físicos, quanto iguais em dores, angústias e alegrias.
A bagagem de uma viagem é a mais rica que se pode carregar, um banho de cultura que renova corpo e alma, abrindo os olhos para o que sequer se sabia existir. Há viagens parecidas com uma cirurgia de catarata: os olhos estavam ali o tempo todo, mas simplesmente não enxergavam o suficiente. Um viajante se torna um inquieto cidadão do mundo e, como tal, passa a enxergá-lo em toda sua complexidade e dinamismo.
Viajar nos faz pensar em questões severas e humanas muito mais do que estamos acostumados em nosso cotidiano, quase sempre limitado. Cheiros, sons, cores e sabores narram a história de indivíduos, povos, religiões, motivações, sonhos e ídolos. Tantas obras de arte, parques, ruas e construções contam uma verdade universal: alguém passou por aqui e deixou sua marca na eternidade. O mundo de hoje é uma grande colagem dos que insistiram em deixar seu legado para que outros os compreendessem. Quem sabe, assim, possam seus visitantes um dia compreender a si mesmos.

Por: Lara Brenner
Visto em: Sábias Palavras